“Chegou o momento de os Estados Unidos e os países do Grupo de Lima lhe oferecerem uma saída [a Maduro] num tempo definido. E se não o fizer, as medidas vão endurecer muito, muito mais”, afirmou em declarações à agência noticiosa Efe Mauricio Claver-Carone, responsável na Casa Branca pela América Latina.

“Esse prazo é imediato (…) e já o comunicámos indiretamente [a Maduro], através de pessoas em que ele confia. É importante que os países do Grupo de Lima façam o mesmo”, acrescentou o assessor do Presidente norte-americano Donald Trump.

O Grupo de Lima, formado em 2017 e que integra 12 países latino-americanos e o Canadá, apelaram hoje à comunidade internacional para efetuar “um grande esforço” com o objetivo de organizar eleições na Venezuela, cuja crise ameaça “a segurança” do planeta.

“A situação que atravessa a Venezuela ameaça a paz e a segurança regional e compromete igualmente a segurança internacional”, considerou o chefe da diplomacia argentina, Jorge Faurie, no início de uma reunião de dois dias em Buenos Aires.

“É necessário um grande esforço para restabelecer a ordem democrática na Venezuela através da convocação de eleições”, acrescentou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.