Para Teixeira Cândido, nestas plataformas os jornalistas devem assumir uma posição responsável, difundindo informações que obedeçam os pressupostos deontológicos, de modo a informar os cidadãos com exactidão e lhes permitir tomar decisões correctas.

O líder sindical, que falava sobre terça-feira em Malanje "deontologia profissional", no workshop regional sobre “A relevância do jornalismo local nas eleições na era digital”, sublinhou que nas redes sociais o jornalista tem a obrigação de se diferenciar dos outros cidadãos e não deve perder de vista a ética e deontologia profissional.

Por sua vez, o jornalista Herculano Coroado destacou o papel da imprensa regional na compreensão dos fenómenos eleitorais locais, sempre em obediência à justiça, imparcialidade, equilíbrio e isenção, sem descurar a lei eleitoral e outros normativos que norteiam o exercício da actividade jornalística.

Reforçou que a imprensa local serve para dar voz à comunidade da região em que se insere e representa o “olho e o ouvido do país e do mundo”, devendo por isso superar os condicionalismos de ordem política, económica, militar, cultural, entre outros.

Frisou que na era digital é de todo importante que, a par dos medias tradicionais, os jornalistas façam recursos às novas plataformas digitais, com realce para o Facebook, WhatsApp, Youtube, com vista a difundir as incidências em torno do processo eleitoral, dos candidatos e seus programas.

A formação visou dotar os jornalistas de ferramentas para fazer face aos próximos desafios eleitorais, nomeadamente as eleições autárquicas e gerais.

O workshop regional contou a participação de 20 jornalistas das províncias de Malanje, Moxico, Lunda Norte e Lunda Sul.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.