A inteligência artificial tornou-se numa área de importância estratégica para a Comissão Europeia e é vista como um dos fatores impulsionadores do desenvolvimento económico. Um novo estudo levado a cabo por Bruxelas revela que há cada vez mais empresas a aperceber-se dos benefícios que a adoção de IA pode trazer.

O estudo detalha que, ao todo, 42% das organizações europeias já usam, pelo menos, uma tecnologia com IA e 25% já adotou, pelo menos, duas. Embora 40% das 9.640 empresas questionadas afirmam que não as usam, 18% indicam que estão a planear a sua adoção nos próximos dois anos.

No que toca à escala das empresas, 39% das grandes organizações usam duas ou mais tecnologias com IA. Em comparação, apenas 22% das pequenas empresas e 21% das micro empresas já adotaram duas ou mais tecnologias.

A República Checa lidera o “pódio” dos países europeus cujas empresas usam mais tecnologias com IA. Os dados indicam que 61% das organizações checas recorrem a pelo menos um tipo de tecnologia e que 40% usam duas ou mais. Em destaque estão também a Lituânia, a Bulgária, a Áustria e o Luxemburgo.

No lado oposto da escala encontram-se a Estónia e Chipre, com níveis de adoção que rondam os 27%. A utilização de dois ou mais tipo de tecnologia com IA é particularmente baixa em Malta, com apenas 2%, assim como na Irlanda, com 14%, e na Estónia, Eslováquia e Chipre, os três com 15%.

A adoção de IA é mais predominante nas empresas na área das tecnologias, perfazendo 63% do total. Segue-se o setor da educação, com 49%, e os da saúde e manufatura com 47%. Segundo os dados, os que menos recorrem às tecnologias com IA são os da construção, transportes e alimentação, com 36%, e o da gestão de resíduos, com 31%.

A Comissão Europeia dá a conhecer que não existe concentração em torno de um determinado tipo de tecnologia com IA entre as empresas analisadas. O relatório indica que 13% das empresas usam IA para otimizar os processos ou detetar anomalias. Por contraste, apenas 3% das organizações a usa para análise de sentimentos.

Os obstáculos que existem no que diz respeito à adoção de IA pelas empresas europeias continuam a preocupar. Ao todo, 57% das organizações indicam ter encontrado dificuldades em contratar colaboradores que tivessem as competências necessárias para trabalhar com a tecnologia.

Para 52% das empresas, o custo da adoção representa uma das grandes barreiras a ultrapassar. Além disso, o custo da adaptação dos processos de operacionais é também uma das dificuldades apontadas por 49% das organizações inquiridas. Embora os esforços em matéria de regulação e estandardização dos dados sejam importantes para a vasta maioria das empresas, cerca de 33% encara-os como possíveis barreiras à adoção da tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.