Além da abertura de contas, os bancos levaram para 34ª edição da FILDA, que decorre nas instalações da Zona Económica Especial Luanda Bengo (ZEELB), os seus habituais serviços e produtos, como internet banking, crédito à habitação e automóvel.

No Banco de Poupança  e Crédito (BPC), instituição de capitais públicos e que passa actualmente por um processo de reestruturação, mais de mil contas já foram abertas nestes dois dias de actividade.

Quem também apostou em abrir conta para particulares a custo zero na feira, aberta terça-feira pelo ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, é o Banco BIC, que também levou para o certame os produtos de crédito, como o BIC Agro, uma iniciativa creditícia que visa apoiar projectos empresariais no sector agro-pecuário.

A subdirectora de marketing do Banco BIC, Inês Fernandes, considerou a FILDA 2018 uma plataforma que vai permitir relançar a economia e parcerias entre empresários nacionais e estrangeiros.

Os bancos BNI, BFA, Sol, Económico e BIR completam o leque das instituições bancárias presentes na FILDA, que também estão à proceder a abertura a custo zero.

Uma particularidade para o BFA, que além da abertura  de  conta, está a promover o seguro funerário, com valor anual que ronda entre três mil a 55 mil kwanzas, e o produto “ exportação”, que permite aos seus clientes beneficiarem de uma redução do preçário  internacional de ordens  de pagamento ao estrangeiro e comissões de crédito.

A 34ª edição da FILDA conta com a participação de 372 expositores de Angola (país Anfitrião), África do Sul, Espanha, Estados Unidos da América, Gana, Holanda, Índia, Itália, Macau, Portugal, Reino Unido, Rússia, Suécia, Turquia, Uruguai, Japão e Moçambique, que estão a expor numa área de aproximada de três hectares.

Pelo menos 69 por cento das empresas expositoras desta edição promovida pelo Ministério da Economia e do Planeamento e o grupo eventos Arena são nacionais.2q