As aplicações podem ser boas soluções para quem está de férias e para quem está a trabalhar. Por isso, esta semana as sugestões do SAPO TeK vão desde o entretenimento ao trabalho e gestão de tarefas.

Para os que estão a trabalhar, altura para recordar a Quip, uma app que facilita a colaboração à distância entre membros de uma equipa que estão a trabalhar num projeto. E, para quem quer perceber qual é o comportamento do smartphone com as aplicações que estão em background, existe a DontKillMyApp.

Esta semana o SAPO TeK fez ainda referência à Payback Challenge, uma app com 31 desafios para os jovens continuarem "ligados" entre si, e a Chudo, uma rede social onde os utilizadores assumem a forma de cabeças flutuantes, numa espécie de mistura entre WhatsApp e Second Life. Por fim, a aplicação Memorigi surge para quem quer gerir tarefas.

Recorde as propostas desta semana. 

Mantenha o trabalho em equipa organizado (mesmo à distância) e crie “documentos vivos” com a Quip

A Quip combina características de plataformas como o Google Docs e o Slack, permitindo criar “documentos vivos” e facilitando a colaboração à distância entre membros de uma equipa que estão a trabalhar num projeto.

pandemia de COVID-19 veio alterar a forma como se trabalha em equipa e, mesmo depois da entrada no período de desconfinamento, são muitas empresas que ainda adotam estratégias de teletrabalho. Se organizar um projeto entre os diferentes membros já era complicado anteriormente, a distância não tornou o processo certamente mais fácil.

A Quip quer dar uma ajuda às equipas que se perdem entre cadeias de emails de feedback e de documentos que estão sempre a mudar de título para uma variante de “versão final”. A aplicação combina características de plataformas como o Google Docs e o Slack, permitindo criar “documentos vivos” e facilitando a colaboração.

À medida que uma equipa cria um documento acerca de um futuro projeto os membros podem dar feedback uns aos outros e discutir possíveis alterações ou aspetos a ter em consideração num chat dentro da app. Para não perderem o “fio à meada”, podem ainda apontar todos os pontos importantes numa lista de afazeres.

A aplicação disponibiliza vários “moldes” para documentos, sejam eles somente de texto corrido, apresentações ou tabelas e gráficos. É também possível importar ficheiros de serviços de armazenamento como a Dropbox, a Google Drive e a Box, assim como de plataformas como a Google Docs e aplicações como a Evernote. Todo o conteúdo produzido pode depois ser exportado para o Office da Microsoft ou para PDF.

A Quip tem uma versão grátis disponível para Android, na Play Store, e para iOS, na App Store. A aplicação apresenta também versões pagas para pequenos e grandes negócios, com preços que começam nos 10 dólares mensais.


DontKillMyApp: de que forma é que o seu smartphone faz a gestão de aplicações em background?

A aplicação foi desenvolvida por um grupo de developers que quer contrariar a imposição do Android que suspende aplicações em background para poupar bateria.

Reduzir o consumo de bateria é uma meta importante, mas por vezes é importante manter algumas aplicações a funcionar em background, mesmo que isso comprometa o tempo de vida do smartphone. É isso que pensa um grupo de developers que no ano passado lançou um site que pretendia forçar a Google a abandonar a política de "matar" as aplicações. E esta app é inspirada nesse movimento.

A DontKillMyApp é na verdade uma aplicação de benchmark para perceber qual é o comportamento do seu smartphone com as aplicações que estão em background. A validação pode demorar entre uma a oito horas, dependendo do intervalo escolhido pelo utilizador, e a aplicação vai lançando várias aplicações, calculando as tarefas que foram realizadas.

Se a percentagem for baixa isso significa que o smartphone não está a deixar que as aplicações em segundo plano tenham acesso aos recursos. Messe caso a app dá uma ajuda para retirar as proteções que o Android impõe ou desabilitar o modo "Doze" do sistema operativo.

A app está disponível para Android na loja Google Play mas ainda em modo  de desenvolvimento, com acesso antecipado. Se quiser pode verificar o código fonte que está disponível no Github.


Payback Challenge: A app com 31 desafios para os jovens continuarem "ligados" entre si

Em plena pandemia, o Movimento Transformers quer que os jovens continuem a conviver com os seus amigos, mas de outra forma. Para isso lança vários desafios como fazer um vídeo de uma dança de um minuto com alguém.

1 desafio por dia, 720 horas. É capaz de chegar até ao fim? É esta a questão que se impõe quando instala a app Payback Challenge, uma aplicação pensada pelo Movimento Transformers que quer manter os jovens "perto" uns dos outros, mantendo o distanciamento físico. Para isso, conta com 31 desafios que terá de partilhar com os seus amigos.

Caminhar com um amigo com quem não se está há muito tempo ou, através de videochamada, ver a série preferida com alguém são dois exemplos dos desafios que a app lança, um por dia, aos jovens que aderirem a esta campanha do Movimento Transformers. A iniciativa nacional de voluntariado tem uma visão do mundo onde cada um descobre o seu superpoder e o usa para melhorar o mundo, identificando o isolamento social dos jovens, e o seu impacto, como uma grande preocupação.

Tal como acontece com os desafios, também o movimento está relacionado com o conceito de retribuição. Os mentores e voluntários dão aulas semanais de diferentes áreas como a culinária, o futebol e o kickboxing a grupos de aprendizes, essencialmente crianças e jovens em risco. Ao longo dos anos esses jovens devem identificar um problema social e resolve-lo através da atividade que lhes foi atribuída.

Em comunicado, Inês Alexandre, CEO do Movimento Transformers, explica que app foi lançada “para que os desafios sejam partilhados, de forma a envolver toda a comunidade na sua resolução”.

A app é gratuita e está disponível para Android, podendo também optar por desafiar-se a si e aos outros através do site oficial.


Está à procura de uma app para os seus “afazeres"? Experimente a Memorigi

Entra no grupo das aplicações que ajudam a gerir tarefas e, embora não seja tão conhecida como algumas das suas (fortes) concorrentes, tem vários argumentos de peso.

A Memorigi é mais recente do que várias das suas rivais, mas tem conseguido ganhar eco com a sua filosofia simples e intuitiva, que faz com que criar e cumprir tarefas seja um processo fácil.

Destaca-se pela interface intuitiva, que mostra todas as tarefas "confinadas" no ecrã principal e as que ainda precisam de ser executadas na parte inferior. Cada uma é identificada através de um ícone que representa a sua categoria, sendo possível aceder a um calendário que mostra as tarefas completas e incompletas e a um painel de progresso para visualizar os dados estatísticos.

A lista de opções oferecidas pela aplicação é bastante extensa, nomeadamente sincronização entre plataformas, exibição de horário que ajuda a planear melhor a semana, suporte para adicionar anexos a tarefas, entre outras.

A Memorigi está disponível para Android e tem versão gratuita, embora algumas das opções só existam mediante o pagamento da versão premium.


Já imaginou uma rede social onde pode ser uma cabeça flutuante? Descubra as ilhas virtuais da Chudo

Na Chudo os utilizadores assumem a forma de cabeças flutuantes, numa espécie de mistura entre WhatsApp e Second Life. Além de poder libertar a sua criatividade e criar um avatar criativo, pode conversar com outros membros através de mensagens de áudio que se transformam em animações personalizadas.

Com a pandemia de COVID-19 passar mais tempo em casa tornou-se uma realidade à qual muitos de nós não estávamos habituados e as redes sociais e plataformas de videochamadas tornaram-se numa forma de manter o contacto com amigos e família mesmo estando à distância.

Já John Donne, poeta britânico do século XVII, dizia que “nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo” e porque não reunir aqueles de que mais gosta ou conhecer novas pessoas nas ilhas virtuais da Chudo?

Ao contrário da maioria das redes sociais, onde nos apresentamos ao mundo com uma foto de perfil que, embora não tenha necessariamente de ser uma imagem da cara é uma representação da nossa identidade, na Chudo os utilizadores assumem a forma de cabeças flutuantes, numa espécie de mistura entre WhatsApp e Second Life.

O que pode fazer na Chudo? Além de poder libertar a sua criatividade e criar um avatar criativo, pode conversar com outros membros através de mensagens de áudio que se transformam em animações personalizadas.

A aplicação está a ganhar popularidade entre os internautas norte-americanos e, segundo dados da empresa, em abril, já se registavam 800.000 utilizadores ativos, muitos deles pertencendo à Geração Z, mas também vários Millennials.

A Chudo é grátis e ao que tudo indica uma versão premium paga poderá estar “na calha”. Para começar a explorar as ilhas virtuais precisa apenas de instalar a app, disponível na Play Store na App Store, e registar-se como membro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.