Macau e as regiões vizinhas na área da Grande Baía têm condições e oportunidades para serem o terminal do sistema de cabos internacionais e a localização ideal para receber centros de dados e promover um o ecossistema digital da região, indicou a CTM, líder no fornecimento de telecomunicações na região semiautónoma chinesa, em comunicado.

A parceria, assinada em dezembro, pretende estabelecer os termos, promover estratégias e oportunidades para ligar a área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau a África e às Américas, em particular aos países de língua portuguesa nos dois continentes.

Para o presidente do conselho de administração da CTM, Vandy Poon, a parceria reflete o posicionamento da empresa de participar ativamente na concretização do papel de Macau na Grande Baía e na iniciativa chinesa "uma faixa, uma rota".

"A CTM acredita que o crescente nível de integração na Grande Baía, Macau desempenhará um papel significativo na promoção da cooperação comercial entre empresas chinesas e países africanos de língua portuguesa e das Américas (Brasil)" e a "exploração conjunta de novas oportunidades de investimento e de negócios e mercados", disse, de acordo com o mesmo comunicado.

Já o responsável da Angola Cables, António Nunes, considerou que a "cooperação entre as partes pode ser" fundamental para "ultrapassar o fosso existente entre o continente e o resto do mundo".

"A expansão da conectividade em todo o hemisfério sul tem o potencial para desbloquear muitas vantagens e benefícios trazidos por um acesso digital seguro", desde a promoção do comércio externo a um desenvolvimento económico robusto, indicou.

De acordo com a mesma nota da CTM, a Angola Cables tem uma rede de cabos submarinos que liga os continentes na região atlântica, com "elevada disponibilidade e boa qualidade", detém centros de dados em Angola e no Brasil e está a promover o Atlântico sul como 'hub' digital.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.