Aberta hoje, quinta-feira, em Luanda, a exposição enquadra-se no encerramento do ano lectivo 2018 do Instituto de Telecomunicações (ITEL), com o lema "Criatividade e inovação rumo a transformação do ensino técnico profissional".

A casa está enquadrada naquilo que são as cidades inteligentes ou "Smarts city" trazendo todas as facilidade que a tecnologia pode oferecer possibilitando, no caso o proprietário, de controlar a casa a partir de um “smartphone”, com uma conexão a internet.

A mesma traz vídeo segurança, que pode ser acessada de qualquer parte do mundo, controlo de cargas, como por exemplo o controlo do ar condicionado, televisão, descodificador, trocando ou até mesmo bloqueando canais, das tomadas e lâmpadas tudo à distância.

Segundo coordenador da feira tecnológica FITITEL 2018, Dionísio Famanoki, o Instituto de Telecomunicações (ITEL) antes apresentava a casa apenas em maquete, mas conseguiram materializar o projecto numa estrutura real.

"Hoje concretiza-se o projecto, com a apresentação da casa num ambiente real. Temos ai uma casa real com o conceito de casa inteligente", relatou.

Estiveram envolvidas no projecto mais de 10 estudantes, com conhecimentos na área de informática, electrónica, telecomunicações, porque agrega vários serviços e várias funcionalidades.

Além destes, estão expostos projectos de automação residencial e outros ligados ao quotidiano das grandes cidades.

Na abertura da feira, o ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, José Carvalho da Rocha, considerou o ITEL o viveiro das telecomunicações em Angola.

Apelou ao empenho dos estudantes na perspectiva de tornarem as empresas saudáveis e capazes de transferirem bons serviços ao consumidor final.

A feira terá a duração de três dias.