Segundo o acórdão desta instância judicial, a ré em companhia de outros dois cidadãos (motoristas) foram interpelados e detidos a 30 de Julho deste ano, quando se dirigiam à comuna fronteiriça do Luvo com 575 litros de combustível transportados por duas viaturas.

“A ré, como agente da Polícia Nacional escoltava a mercadoria que seria comercializada na fronteira com a República Democrática do Congo”, disse o porta-voz do Tribunal da Comarca de Mbanza Kongo”, Bige Malungo.

Com ela, foram também condenados a um ano de prisão efectiva, os cidadãos Faustino Álvaro e Pedro Garcia (motoristas), pelo mesmo crime.

Os réus foram também condenados a pagar cinco mil Kwanzas de emolumentos a favor do defensor oficioso.

O contrabando de combustível para a RDC tem sido uma prática constante por cidadãos de vários estratos sociais, por presumivelmente ser um negócio rentável.

A comuna do Luvo dista a 60 quilómetros a norte da cidade de Mbanza Kongo, capital da província do Zaire.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.