Líbia: O ritual dos turbantes e véus tuaregues

O deserto do Saara e a zona do Sahel abrigam os tuaregues, povos nómadas do continente africano. Os turbantes, bem como os véus faciais usados pelos homens, são uma forma de proteção contra o sol e a areia. Mas não são usados apenas para proteção: os revestimentos da cabeça transmitem respeito e dignidade, enquanto vestir o véu também é um ritual masculino de passagem para a vida adulta. - picture-alliance/imageBroker

Líbia: Tradição dos homens tuaregues

Apenas homens tuaregues cobrem o rosto. Segundo a tradição, o véu protege contra os espíritos dos mortos, chamados "Kel Eru", enquanto os homens viajam pelo deserto. Historicamente, turbantes e véus tuaregues eram tingidos de índigo, o que deixa traços de coloração na pele. Por causa disso, os tuaregues eram conhecidos como o "povo azul" do deserto. - picture-alliance/blickwinkel/McPhoto/M. Runkel

Líbia: Proteger-se no deserto

O povo tuaregue pertence ao grupo maior de berberes, nómadas que residem no norte de África. Hoje em dia, muitos deles estão instalados em locais específicos. No Níger, eles autodenominam-se "Imajeghen", na Argélia e na Líbia "Imuhagh" e os "Imushagh", no Mali. A palavra estrangeira "Tuareg" remonta à palavra berbere "Targa", que foi usada para descrever uma província na Líbia. - picture-alliance/imageBroker/K. Kreder

Marrocos: Berberes usam o "litham"

Os tradicionais adereços e véus faciais dos tuaregues são chamados de "Tagelmust" ou "litham". Na foto, o "litham" amarelo é usado por um homem que vive na parte marroquina do Saara. Ele pertence aos berberes de Marrocos. Tradicionalmente, durante os conflitos, um pano como esse dificultava o reconhecimento do usuário. - picture-alliance/ blickwinkel/W. G. Allgoewer

Egito: Os adereços dos beduínos

Como os tuaregues e os berberes, os beduínos também são habitantes nómadas do deserto. Eles vivem na Península Arábica e em estados vizinhos, incluindo Israel e Egito. O nome do tecido que esse homem na imagem usa no deserto líbio do Egito é chamado "Kufiya" ou, em algumas áreas, "Ghutra" ou "Hatta". A forma como é usado varia de região para região. - picture-alliance/imageBroker

Chade: O véu dos homens Tubu

Também são os homens, e não as mulheres, que usam véu no povo Tubu, na bacia do norte do Chade. Os homens também são responsáveis por costurar roupas. Os Tubu costumam trabalhar como pastores, cuidando de ovelhas e cabras ou criando camelos. - picture-alliance/dpa

Nigéria: O emir usa véu

O véu também pode ser encontrado no estado de Kano, na Nigéria, como o usado pelo atual emir do país. Até março de 2020, era Muhammadu Sanusi II (foto acima, na sua nomeação em 2014). O seu sucessor é Aminu Ado Bayero. O emir de Kano é o segundo líder muçulmano mais importante do país, depois do sultão. - Amino Abubakar/AFP/Getty Images

Marrocos: Mulheres de niqab

Muitas muçulmanas cobrem o rosto com um niqab. É comum na Península Arábica, mas com menos frequência no norte de África. A mulher nesta foto também usa a abaya tradicional - um sobretudo longo - e um lenço na cabeça. No entanto, Marrocos impôs uma proibição de vendas de burca e niqab em 2017. Isso pode ter sido devido a preocupações de segurança. - picture-alliance/imageBROKER/W. G. Allgöwer

Somália: Muçulmanas também cobrem o rosto

Hoje, as mulheres religiosas da Somália vestem-se de maneira diferente. Os muçulmanos tradicionalmente não cobriam o rosto com o niqab no país, mas isso é visto com mais frequência desde os anos 80, devido à crescente influência do Islão - especialmente nas cidades. Na foto, algumas estudantes de Mogadíscio usam um niqab. - picture-alliance/Photoshot

Zanzibar: Mulheres cobertas na praia

Um pouco mais ao sul, em Zanzibar, que faz parte da Tanzânia, também há mulheres que cobrem o rosto. Quase exclusivamente muçulmanos vivem no arquipélago de Zanzibar. Cobrir o rosto passa a ser cada vez mais comum em todo o continente africano. - picture-alliance/imageBROKER/M. Moxter

Quénia: Máscaras de tecido contra a Covid-19

Devido ao coronavírus, no Quénia, por exemplo, agora é obrigatório usar máscaras em público. Mas nem todos podem comprar máscaras descartáveis. Em Kibera, um bairro pobre de Nairobi, o designer David Ochieng distribui máscaras de tecido reutilizáveis que ele e a sua empresa, Lookslike Avido, fazem para os necessitados. - picture-alliance/ZumaPress/D. Sigwe

Quénia: Máscaras de designer para todos

O designer David Ochieng, que se chama Avido, é visto aqui usando uma das máscaras de proteção que ele produziu. Avido cresceu no bairro de Kibera e normalmente cria os seus próprios projetos. Neste outono, a sua empresa Lookslike Avido foi convidada para participar do Ökorausch-Festival em Colónia, Alemanha, que destaca o design sustentável. - picture-alliance/ZumaPress/D. Odhiambo

Quénia: Emprego alternativo

A fabricante de móveis Sara Reeves foi forçada a fechar a sua oficina em Nairobi durante a crise do coronavírus. Então, ela e sua equipa passaram a fazer máscaras. Eles usam os tecidos coloridos de kitenge, típicos da África Oriental. Sara doa uma máscara para cada uma que vende. Dessa forma, as máscaras "entrarão nas mãos e nos rostos das pessoas que precisam de proteção", diz Reeves. - picture-alliance/dpa/Michelle Vugutsa/Love Artisan Kenya

Quénia: Itens e equipamentos contra a Covid-19

Cerca de trezentas costureiras numa fábrica em Nairobi produzem 20 mil máscaras descartáveis todos os dias. Algumas fábricas no Quénia mudaram a produção para fazer máscaras cirúrgicas e outros equipamentos de proteção contra a Covid-19. - picture-alliance/ZumaPress/D. Sigwe

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.