Em causa está o descontentamento devido as novas rotas e paragens para táxis colectivos e mototaxis definida pela administração municipal.

Filiados na Associação Nova Aliança dos Taxistas de Angola (ANATA) alegam que as novas rotas encontram-se em mau estado de conservação, prejudicial para os veículos e pondo em perigo os seus ocupantes.

Falando hoje, quinta-feira à Angop, o membro da ANATA, Rafael Inácio, acusou a administração de furtar-se do diálogo para se encontrar uma solução.

Acrescentou que a decisão da paralisação saiu de uma assembleia entre os filiados realizada na segunda-feira.

Por sua vez, o administrador municipal, Auzilio Jacob, afirma que está aberto ao diálogo e as razões para as novas rotas deve-se a uma acção que visa evitar os constantes assaltos a mão armada, com os taxistas como as principais vítimas.

Afirmou que outro objectivo é manter um controlo rigoroso de todas as viaturas e motorizadas em circulação, numa acção coordenada  Polícia Nacional.

Quanto ao mau estado de conservação que apresentam algumas vias de Cacuaco onde estão as novas rotas, o administrador  adiantou que muitas delas fazem parte do Plano de Intervenção Integral nos Municípios (PIIM) e entra em reabilitação dentro dos próximos meses.

Fez saber que serão asfaltadas mais de 58 quilómetros de estrada, no interior do município.

Com mais de um milhão de habitantes fazem parte da circunscrição  os distrito do Sequele, Kikolo, Cacuaco/Sede , Funda, e Mulenvos.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.