O diplomata que interveio no acto que marcou a conclusão da  infra-estruturação  do projecto "Conservação do Parque Nacional de Iona - Namibe", fez saber que a União Europeia contribuiu para este projecto com um financiamento de 3,9 milhões de euros.

De acordo com o Tomás Ulicny, o projecto tem sido uma parceria de cooperação entre a Delegação da União Europeia, o Ministério do Ambiente  e a representação, em Luanda,  do Programa  das Nações  Unidas  para o Desenvolvimento(PNUD).

Para  Tomás  Ulicny,  o reforço das áreas de  protegidas  é o pilar  da política  da União  Europeia na protecção  da natureza  a  nível  global.

O projecto  que contou  também o  Financiamento  do PNUD, do  Fundo de  Gestão  Ambiental e o Governo Angolano, num valor  global de sete milhões,102 mil e 566 dólares norte americanos, permitiu a reabilitação  de um dos maiores parques nacionais de Angola com 15 mil e 150 quilómetros quadrados.

“Consideramos importante  que  o parque  siga  trabalhando  após  o final deste projecto em 2018, para manter  e valorizar  o património  de infraestruturas, equipamentos  e meios  que tem  sido  realizados com o apoio da  UE”,  sublinhou.

Acrescentou que, a conservação e valorização dos ecossistemas e da biodiversidade podem jogar um papel importante no desenvolvimento sustentável em Angola.

A rede nacional de conservação de Angola foi crida no período antes da independência de Angola e a mesma está constituída por nove parques, um parque regional, duas reservas naturais integrais, igual número de reservas parciais, compreendendo 12,6% do território nacional.

O acto  foi orientado pela ministra do Ambiente, Paula  Francisco, e  contou com a presença  da ministra do turismo, Ângela Bragança,  o  secretário de Estado da  Aquicultura  e representantes do PNUD,  da  embaixada  da Namíbia  em Angola e  do governo provincial do  Namibe.