Falando numa palestra sobre "O papel dos jornalistas em informar o público sobre a pandemia Covid-19, na vertente jurídica, o jurista referiu que a informação tem uma importância estratégica nos serviços de saúde porque influencia a avaliação dos utentes quanto à qualidade e na adopção de comportamentos protectores.

Segundo ele, os jornalistas devem informar com rigor, objectividade e isenção, bem como respeitar os limites da liberdade de imprensa, sob pena de incorrerem em crimes contra honra, difamação, calúnia e injúria.

Para o jurista, os jornalistas devem ainda confrontar as fontes para assegurar uma informação correcta e imparcial, assim como contribuir na elevação do nível de educação cívica e patriótica dos cidadãos.

O procurador da República lembrou que a publicação de textos e imagens que ofenda bens jurídicos através da imprensa é punível nos termos da lei.

Acrescentou que a boa comunicação ajuda a consciencializar a população e promove a utilização adequada dos recursos e serviços disponíveis para o combate à pandemia Covid-19.

Paulo de Jesus Adão frisou que durante a pandemia os jornalistas devem informar mais evidências do que opiniões para não baralhar a opinião pública.

A palestra foi promovida pela União dos Jornalistas Angolanos (UJA) no Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor) e foi assistida por jornalistas, comunicólogos e estudantes de jornalismo.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.