Actualmente, na Lunda Sul, estão em quarentena domiciliária 32 cidadãos e três em institucional que furaram a cerca sanitária de Luanda, entre os quais um efectivo das Forças Armadas Angolana (FAA) e dois funcionários que prestam serviços a Catoca.

O Estado angolano impôs uma cerca sanitária à província de Luanda, até ao dia 25 do mês em curso, por ser o foco da pandemia da covid-19 no país, com 179 casos positivos, seguido do Cuanza Norte, com quatro.

Em declarações à ANGOP à margem da II reunião ordinária do governo, o director do Gabinete Provincial da Saúde, Viegas de Almeida, aclarou que a situação está sob controlo das forças de defesa e segurança.

Apontou como preocupação da comissão, a vasta fronteira entre a Lunda Sul e República Democrática do Congo (RDC) através do município do Muconda, assim como os cidadãos que transportam as mercadorias de Luanda para o Leste do país e vice-versa.

Perante esta situação, a comissão redobrou a vigilância epidemiológica nos postos de controlo do município do Cacolo, assim como a fiscalização do tráfego pelas forças de defesa e segurança.

Nos postos estão apenas a autorizar a entrada de caminhões de transporte de mercadorias com apenas duas pessoas a bordo, caso tenha mais a viatura é apreendida.

Sensibilização

O Conselho Provincial da Juventude (CPJ) na Lunda Sul está a levar a cabo acções de sensibilização sobre as medidas de prevenção contra a covid-19 em todos os municípios da província, revelou o secretário para o Associativismo e Voluntariado, Adilson Figueiredo.

A actividade, que está inserida no projecto denominado "Patrulha Stop covid-19 e a malária”, visa sensibilizar e elucidar os jovens sobre as formas de contágio da doença.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.