"Objectivo é de garantir a efectividade da livre circulação de pessoas e bens, promover o desenvolvimento da economia nacional, o turismo, o investimento nacional e estrangeiro, proporcionar também maior segurança aos utentes das estradas nacionais e complementares", afirmou hoje, Orlando Bernardo, director do gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa do Comando Geral da Polícia angolana.

A medida, em curso há uma semana, determina a implementação um sistema de patrulhamento aleatório de trânsito nas estradas nacionais e complementares que visam garantir a "segurança rodoviária e a livre circulação de pessoas e bens", explicou.

Orlando Bernardo que falava hoje, em Luanda, durante uma conferência de imprensa de esclarecimentos sobre o assunto, deu conta que os postos de controlos a serem desactivados estão "inadequados" ao actual contexto do país.

"O grande objectivo foi permitir que evoluirmos de um sistema que foi utilizado durante muito tempo e pelas características dos problemas que o país viveu assim obrigaram a colocação desse tipo de controlo", frisou.

Numa semana, a polícia angolana deteve mais de 200 cidadãos estrangeiros ilegais, fruto do novo modelo de controlo e fiscalização rodoviária, garantindo que apesar de se levantarem esses postos de controlo "continuará a haver actividade policial".

"E esta medida tem estado a trazer resultados positivos para a actividade da polícia. Os cidadãos podem ficar tranquilos que a actividade da polícia nacional na manutenção da segurança continuam, garantidos através de medidas adicionais criadas para o efeito", rematou o comissário.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.