Vivemos o amanhecer de uma nova era na história da Terra: o Antropoceno.

Os humanos sempre moldaram aspectos de seu ambiente, do fogo à agricultura. Mas a influência do Homo sapiens na Terra atingiu tal nível que agora define o tempo geológico atual.

Desde a poluição do ar na alta atmosfera até fragmentos de plástico no fundo do oceano, é quase impossível encontrar um lugar em nosso planeta em que a humanidade não tenha tocado de alguma forma.

Mas há uma nuvem escura no horizonte.

Mais cedo ou mais tarde, a humanidade enfrentará sua extinção créditos: Getty Images

Mais de 99% das espécies que existiram na Terra desapareceram, a maioria durante catástrofes e extinções como a que exterminou os dinossauros.

A humanidade nunca enfrentou um evento desta magnitude, mas mais cedo ou mais tarde enfrentará.

O fim da humanidade é inevitável

Para muitos especialistas, a questão não é se os humanos serão extintos, mas quando isso acontecerá. E há quem pense que isso acontecerá mais cedo do que se imagina.

Em 2010, o eminente virologista australiano Frank Fenner disse que provavelmente iremos desaparecer no próximo século, devido à superpopulação, destruição ambiental e mudanças climáticas.

O professor Frank Fenner em frente a uma foto projetada de si mesmo, tirada na década de 1950 créditos: Getty Images

Claro, a Terra poderia sobreviver sem nós.

A vida continuaria e as marcas que deixamos no planeta desapareceriam mais cedo do que poderíamos imaginar. Nossas cidades entrariam em colapso, os campos cresceriam e as pontes cairiam.

"A natureza finalmente vai decompor tudo", diz Alan Weisman, autor de The World Without Us (O mundo sem nós, em tradução livre), publicado em 2007, que examina o que aconteceria se os humanos desaparecessem do planeta.

"Se não consegue quebrar as coisas, eventualmente as enterra."

Em pouco tempo, tudo o que restaria da humanidade seria uma fina camada de plástico, isótopos radioativos e ossos de galinha (matamos 60 bilhões de galinhas por ano) no registro fóssil.

Como evidência disso, podemos olhar para as áreas do planeta que fomos forçados a abandonar.

Na zona de exclusão de cerca de 30 km ao redor da usina de Chernobyl, na Ucrânia, que foi severamente contaminada após o colapso do reator em 1986, as plantas e os animais prosperam de uma forma que nunca tinha ocorrido antes.

Animais, como este gato, assumiram a Zona de Exclusão de Chernobyl desde que os humanos se afastaram créditos: Getty Images

Um estudo de 2015 financiado pelo Natural Environment Research Council encontrou "populações abundantes de vida selvagem" na área, sugerindo que os humanos são uma ameaça muito maior para a flora e a fauna locais do que 30 anos de exposição crônica à radiação.

A velocidade com que a natureza assume o controle da paisagem depende muito do clima de uma área.

Nos desertos do Oriente Médio, as ruínas de milhares de anos atrás ainda são visíveis, mas o mesmo não pode ser dito das cidades que têm apenas algumas centenas de anos mas estão em florestas tropicais.

Em 1542, quando os europeus viram pela primeira vez as florestas tropicais do Brasil, eles relataram cidades, estradas e campos ao longo das margens dos principais rios.

No entanto, depois que a população indígena foi dizimada pelas doenças que os exploradores levaram com eles, essas cidades foram rapidamente tomadas pela selva.

É certo, por exemplo, que as ruínas de Las Vegas, nos EUA, persistiriam por muito mais tempo do que as de Bombaim, na Índia.

Árvores e raízes ocuparam o templo Ta Prohm no Camboja créditos: Getty Images

Só agora as técnicas de desmatamento e sensoriamento remoto nos dão uma ideia do que existia antes.

As espécies de plantas e animais que formaram laços estreitos com os humanos seriam as mais afetadas se desaparecermos.

As safras que alimentam o mundo, que dependem de aplicações regulares de pesticidas e fertilizantes, seriam rapidamente substituídas por seus ancestrais selvagens.

"Elas serão superadas rapidamente", diz Weisman. "As cenouras ficarão selvagens e as espigas de milho poderão voltar ao tamanho original, não maiores do que uma espiga de trigo."

Como essas ruínas romanas, edifícios de hoje permaneceriam reconhecíveis no futuro créditos: Getty Images

O súbito desaparecimento de pesticidas também significaria uma explosão populacional de insetos.

Os insetos são móveis, reproduzem-se rapidamente e vivem em quase todos os ambientes, o que os torna uma classe de espécies de grande sucesso, mesmo quando os humanos estão ativamente tentando suprimi-los.

"Eles podem sofrer mutação e se adaptar mais rápido do que qualquer outra coisa no planeta, exceto, talvez, micróbios", explica Weisman. "Qualquer coisa que pareça deliciosa será devorada."

A explosão do inseto, por sua vez, aumentaria a população de espécies que se alimentam deles, como pássaros, roedores, répteis, morcegos e aracnídeos, e então um boom nas espécies que comem esses animais, e assim por diante, em toda a cadeia alimentar.

Quando os humanos deixarem o planeta, os insetos terão um renascimento rápido créditos: Getty Images

No entanto, essas enormes populações seriam insustentáveis ​​a longo prazo, uma vez que os alimentos que os humanos deixaram para trás fossem consumidos.

A extinção de humanos teria consequências na cadeia alimentar por pelo menos 100 anos, antes que um novo normal fosse estabelecido.

Algumas raças selvagens de vacas ou ovelhas poderiam sobreviver, mas a maioria foi criada como máquinas de comer, lentas e dóceis, que acabarão morrendo em grande quantidade.

"Acredito que em breve serão vítimas de carnívoros selvagens que vão começar a proliferar", diz Weisman.

Esses carnívoros incluiriam animais de estimação humanos, mais provavelmente gatos do que cães. "Acho que os lobos vão ter muito sucesso e vão competir com os cães", diz Weisman.

"Os gatos são uma espécie não nativa de muito sucesso em todo o mundo. Onde quer que vão, eles prosperam."

A questão sobre se a vida "inteligente" poderia evoluir novamente é mais difícil de responder.

Uma teoria afirma que a inteligência evoluiu porque ajudou nossos primeiros ancestrais a sobreviver a choques ambientais.

Outra é que a inteligência ajuda as pessoas a sobreviver e se reproduzir em grandes grupos sociais.

Os gatos se sairiam melhor do que os cães em caso de extinção humana créditos: Getty Images

Uma terceira é que a inteligência é simplesmente um indicador de genes saudáveis.

Todos os três cenários poderiam ocorrer novamente em um mundo pós-humano.

"Entre os primatas, o segundo maior cérebro em peso corporal é o do babuíno, e você poderia dizer que seria o candidato mais provável", analisa Weisman.

"Eles moram na selva, mas também aprenderam a viver nas bordas dela. Conseguem colher alimentos nas planícies muito bem e sabem se unir contra predadores", descreve. "Os babuínos podiam fazer o que fizemos, mas por outro lado não vejo motivação para isso. A vida é realmente boa para eles do jeito que é", acrescenta.

Muitas zonas de Chernobyl agora estão cheias de vegetação créditos: Getty Images

O futuro da vida em um planeta poluído

Mudanças que podem empurrar os babuínos (ou outras espécies) para fora de sua zona de conforto podem ser desencadeadas pela morte dos humanos.

Mas se todos nós desaparecermos amanhã, levaria dezenas de milhares de anos para que os gases do efeito estufa que lançamos na atmosfera voltassem aos níveis pré-industriais.

Alguns cientistas acreditam que já ultrapassamos os pontos de inflexão cruciais, especialmente nas regiões polares, que irão acelerar as mudanças climáticas, mesmo se não reemitirmos outra molécula de CO2.

Depois, há o problema das usinas nucleares do mundo.

As evidências de Chernobyl sugerem que os ecossistemas podem se recuperar das emissões de radiação. Mas existem cerca de 450 reatores nucleares em todo o mundo que começariam a derreter assim que o combustível acabasse nos geradores de emergência que fornecem líquido de refrigeração.

Há décadas um incêndio de carvão está queimando no subsolo em Centralia, Pensilvânia créditos: Getty Images

Não há como saber como uma liberação tão grande e abrupta de material radioativo na atmosfera poderia afetar os ecossistemas do planeta.

E isso antes de começarmos a procurar outras fontes de contaminação.

As décadas após a extinção humana seriam marcadas por derramamentos de óleo devastadores, vazamentos de produtos químicos e explosões de tamanhos variados, todas bombas-relógio que a humanidade deixou para trás.

Alguns desses eventos podem causar incêndios que podem durar décadas.

Abaixo da cidade de Centralia, na Pensilvânia, uma camada de carvão está queimando desde pelo menos 1962, forçando a evacuação da população local e a demolição da cidade.

Hoje, a área parece uma pradaria com ruas pavimentadas passando por ela e nuvens de fumaça e monóxido de carbono subindo do solo. A natureza tomou a superfície.

As pegadas finais da humanidade

A Caverna das Mãos, no sul da Argentina, contém arte rupestre de cerca de 13 mil anos atrás créditos: Getty Images

Mas alguns traços da humanidade permaneceriam, até mesmo dezenas de milhões de anos após o nosso fim.

Os micróbios teriam tempo de evoluir para consumir o plástico que deixamos para trás.

As estradas e ruínas seriam visíveis por muitos milhares de anos (o concreto romano ainda é identificável 2 mil anos depois), mas acabaria sendo enterrado ou destruído por forças naturais.

É reconfortante que nossa arte seria uma das últimas provas de que existimos.

Cerâmica, estátuas de bronze e monumentos como o Monte Rushmore, no qual os rostos de quatro presidentes dos Estados Unidos estão esculpidos, estariam entre nossos legados mais duradouros.

O Monumento Nacional do Monte Rushmore é uma escultura entalhada entre 1927 e 1941 em uma montanha de granito localizada em Keystone, Dakota do Sul, com rostos de 18 metros de altura dos presidentes americanos George Washington, Thomas Jefferson, Theodore Roosevelt e Abraham. Lincoln créditos: Getty Images

Nossas transmissões também durariam: a Terra tem transmitido sua cultura por ondas eletromagnéticas por mais de 100 anos, e essas ondas ainda estão no espaço.

Então, a 100 anos luz de distância, com uma antena grande o suficiente, você pode ouvir uma gravação de cantores de ópera famosos em Nova York, a primeira transmissão de rádio pública, em 1910.

Essas ondas persistiriam em uma forma reconhecível por alguns milhões de anos, viajando cada vez mais longe da Terra, até que finalmente se tornem tão fracas que não poderiam ser diferenciadas do ruído de fundo no espaço.

Mas mesmo nossos artefatos espaciais ainda funcionariam.

Supondo que não haja colisões, as sondas espaciais Voyager serão o último legado remanescente da humanidade créditos: Getty Images

As sondas Voyager, lançadas em 1977, estão deixando o Sistema Solar a uma velocidade de quase 60 mil km/h.

Desde que não atinjam nada, o que é altamente provável (o espaço é muito vazio), elas sobreviverão ao fatal encontro da Terra com um Sol inflado em 7,5 bilhões de anos.

Elas serão o último legado remanescente da humanidade, girando para sempre na escuridão do Universo.

O artigo original, em inglês, está disponível no site da BBC Science Focus Magazine.


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=7WetVUOSfm4

https://www.youtube.com/watch?v=tQXiL9v1060

https://www.youtube.com/watch?v=JggNKqaw3gc

Escrito por: Duncan Geere - BBC Science Focus Magazine

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.
Os textos do parceiro BBC News estão escritos total ou parcialmente em português do Brasil.