Falando à imprensa, a inspectora chefe e coordenadora da campanha, Onilde Taborda, informou que um efectivo de 500 mulheres polícias estará até 10 de Dezembro envolvida nesta acção em locais de maior incidência população.

Segundo a responsável, a acção decorrerá nas cidades do litoral da província, para a dissuadir e transmitir maior segurança aos cidadãos, bem como sensibilizar a sociedade no sentido de evitarem a comercialização de produtos em locais não autorizados.

Onilde Taborda assegurou que as actividades desenvolvidas no âmbito da campanha serão realizadas com rigor, dentro dos princípios de actuação policial, em prol da missão atribuída,  garantido que sejam preferencialmente as mulheres policias a intervirem nas acções previstas.

Por seu lado, a  presidente da Associação Angolana da Mulher Polícia, Subinspectora Prisional, Marcelina Chissango, afirmou que é de âmbito nacional e tem como objectivo contribuir para o resgate dos valores morais, cívicos e éticos da sociedade, de modo a conscientizar a população a repor a harmonia nas famílias, diminuir o elevado número de casos de violência contra o género e conter a delinquência juvenil.

Sob o lema “Desafiemos as barreiras do silêncio e denunciemos as acções de violência”, a jornada dos 16 dias de activismo da não-violência contra a Mulher termina a 10 de Dezembro com a realização de uma mesa redonda que vai reflectir sobre direitos humanos das mulheres desafios oportunidades.