Dionísio Gonçalves Casimiro, mais conhecido por Carbono Casimiro era rapper e activista, uma voz bastante crítica contra a repressão, especialmente na altura da governação do Presidente José Eduardo dos Santos.

O anúncio da sua morte foi feito pelo irmão Joel Júnior, através da sua página de Facebook.

Nas redes sociais a consternação é evidente, entre activistas e rappers. O também rapper e activista, Luaty Beirão, que durante todo o dia de Segunda-feira fez apelos no Twitter para que as pessoas fossem doar sangue à Clínica Girassol, para o seu amigo, partilhou a sua perda horas depois.

Como o caso dos 15+2 afectou Carbono Casimiro

Em 2015, Carbono Casimiro havia dado uma entrevista à Voz da América, em que descrevia a polícia angolana como “carniceira”, depois de uma busca à sua casa, entre outros episódios.

No mesmo ano, Carbono foi um dos acusados de crime de rebelião e atentado contra o então Presidente da República, assim como os demais 15 activistas presos a 20 de Junho. Casimiro, ao contrário dos restantes, acabou não sendo indiciado.

Apesar de não ter sido preso, o ano de 2015 não foi particularmente fácil para o rapper, que na altura acabou por se afastar do activismo por “questões pessoais”, justificou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.