No bairro Vanvala, o Centro de Saúde com um atendimento diário de mais de 200 doentes a farmácia não pode fornecer medicamentos aos doentes.

“Neste momento não temos medicamento nenhum até antipalúdicos não temos”,disse a enfermeira da unidade hospitalar Teresa João Sebastião Kijica,

Dois médicos, 15 técnicos de diagnostico e terapêutico garantem ao funcionamento da unidade que recebe utentes provenientes do centro da cidade e de vários bairros periféricos e com uma capacidade de internamento em 24 horas de 20 pacientes.

O director do Gabinete Provincial de Saúde, Avantino Sebastião, disse que embor ahaja medicamentos anti paludicos “mais do que isso não tenho como responder”.

O Ministério da Administração do Território e Reforma do Estado (MATRE) retirou das administrações municipais uma rubrica que permitia a compra de medicamentos e equipamentos e “não tendo esta rubrica eles não conseguem adquirir esses meios, passaram a depender do depósito, mas como aquilo é um complemento é uma gota praticamente no oceano”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.