Uma equipa composta por 15 agentes de saúde foi destacada, para, em turnos, monitorar os passageiros que cheguem ao aeroporto Osvaldo Vieira, em Bissau, assinalou Salomão Crima.

Munidos de termómetros a laser, os técnicos tentam perceber se o passageiro está com temperatura corporal acima dos 37,7 graus, se tem tosse e ainda se apresenta dificuldades respiratórias.

O passageiro que apresentar esse quadro, é ainda submetido a um inquérito para determinar se, nos últimos 14 dias esteve em viagem para uma das regiões do mundo onde foi declarada a existência do novo coronavirus ou se esteve num espaço físico com alguém infetado com a doença.

Em caso de suspeita e após os procedimentos, a pessoa será imediatamente isolada para a recolha das amostras vitais que serão encaminhadas ou para o laboratório do Instituto Pasteur no Senegal ou para o laboratório da Saúde Pública de Lisboa, indicou Salomão Crima.

” O Ministério da Saúde está a tentar arranjar, através de um parceiro, os reagentes para que passemos a fazer as análises no país”, observou ainda Crima, adiantando que uma circular foi emitida pela ministra da Saúde, Magda Robalo, a informar as direções regionais sobre a necessidade de serem adotadas as mesmas medidas de controlo nos postos fronteiriços terrestres.

As regiões de Bafatá, leste, Cacheu, norte, e Tombali, no sul, são as zonas mais vulneráveis, tendo em conta a sua proximidade às fronteiras terrestres, segundo o diretor geral da Epidemiologia e Segurança Sanitária da Guiné-Bissau.

A China elevou para 259 mortos e quase 12 mil infetados o balanço do surto de pneumonia provocado por um novo coronavírus (2019-nCoV) detetado no final do ano em Wuhan, capital da província de Hubei (centro).

Todas as novas 46 mortes ocorreram em Hubei, a província central da China que é o foco do surto que começou em dezembro.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há mais casos de infeção confirmados em 24 outros países, com as novas notificações na Rússia, Suécia e Espanha.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional.

MB // VM

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.