"Nesta senda, o Ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU) augura que se estimule cada vez mais ações de associativismo e de cidadania de forma organizada, mecanismo importante para dinamização das políticas públicas entre o executivo e as ONG", afirmou hoje a ministra angolana Faustina Alves, responsável por aquela área de actuação.

O Governo angolano leva a cabo vários programas para o impacto social, nomeadamente apoio às vítimas de violência, promoção do género e empoderamenmto da mulher, protecção e promoção dos direitos da criança, dos idosos e das pessoas com deficiência, o programa de desenvolvimento local e combate à pobreza, disse.

A ministra falava, em Luanda, na abertura de um encontro com as ONG angolanas e estrangeiras, promovido pelo Instituto de Promoção e Coordenação de Ajuda às Comunidades (IPROCAC), órgão tutelado pelo MASFAMU.

Pelo menos 437 organizações não-governamentais estão registadas pelas autoridades angolanas, sendo 400 nacionais e 37 estrangeiras, nomeadamente 395 são associações, 9 fundações e 33 instituições religiosas que desenvolvem ações em vários domínios.

Do universo de ONG que operam em Angola, explicou que o IPROCAC acompanha a implementação de 67 projectos sociais nos da saúde e educação, em várias províncias angolanas, direccionados, sobretudo, "às comunidades mais vulneráveis" do país.

O relacionamento das ONG com os órgãos de supervisão, a responsabilidade social das mesmas e os benefícios para a Acção Social em Angola, com vista a fortalecer as relações do Estado, foram os temas discutidos no encontro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.