O primeiro, de 21 anos, perdeu a vida a 21 de Janeiro, a caminho do Hospital Geral do Lobito (HGL), após sofrer uma paragem cardiorrespiratória durante uma prova de resistência física, tendo sido de imediato assistido pela equipa médica da academia.

Outro caso sucedeu a 25 de Janeiro, quando um jovem, de 18 anos, sentiu-se mal no final de exercícios físicos debaixo do sol, pelo que foi levado às urgências do referido hospital, onde foi declarado o óbito, com o mesmo diagnóstico.

Em declarações à Angop, o porta-voz do Hospital Geral do Lobito, Alberto Sakessongo, informou que houve ainda um terceiro “recruta” a quem também foi diagnosticado insuficiência respiratória, no dia 25, e acabou por recuperar.

Lamentou as duas mortes e explicou que, como o jovem de 18 anos ainda apresentava sinais vitais ao chegar ao hospital, os médicos submeteram-no a manobras de reanimação, para salvá-lo, porém, minutos depois morreu devido a paragem cardiorrespiratória grave.

Os corpos dos jovens, ambos provenientes de Luanda, encontram-se, desde segunda-feira, na morgue central do Hospital Geral de Benguela, na cidade capital da mesma província, onde estão a ser realizadas as autópsia, a pedido dos familiares.

Questionado sobre os factores que podem ter provocado a paragem cardiorrespiratória às vítimas, depois dos exercícios físicos, o porta-voz do Hospital Geral do Lobito considerou que apenas os resultados das autópsias poderão determinar.

“Todo o indivíduo, antes de fazer um teste intenso, deveria primeiro ser submetido a um exame médico para observar a sua aptidão física”, disse.

Alertou para a existência, hoje em dia, de muitos jovens com problemas de hipertensão, que se agravam cada vez mais face ao consumo exagerado de bebidas alcoólicas e energéticas. Daí a oportunidade do exame médico prévio, notou.

Entretanto, fonte da direcção da Academia Militar, contactada pela Angop, escusou-se a prestar declarações sobre o sucedido, referindo apenas que o pronunciamento oficial à imprensa está, por enquanto, dependente dos resultados das autópsias.

Testes continuam

A Angop constatou hoje que, apesar das duas mortes ocorridas na semana passada, as provas de preparação física dos candidatos continuam a decorrer no recinto da AMEX, com a participação de dezenas de jovens das províncias de Benguela, Bengo, Huambo, Luanda e Cuanza Norte, que pretendem ingressar na instituição de ensino superior, no ano académico 2020.

As provas de preparação física consistem numa corrida de resistência e velocidade de dois quilómetros e 400 metros em 12 minutos, debaixo de um sol abrasador, o que muitas vezes leva os candidatos à desidratação.

É a primeira vez que a Academia Militar, no Lobito, é surpreendida pela morte de candidatos em fase de provas de selecção para ingresso naquela instituição, fundada a 9 de Setembro de 2009, com a missão de formar quadros para as diferentes áreas deste ramo das Forças Armadas Angolanas (FAA).

Desde o início dos cursos de licenciatura, em 2013, a AMEX licenciou 348 cadetes em vários cursos, entre os quais infantaria, tanques, telecomunicações, artilharia terrestre e engenharia militar.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.