Os moradores apresentaram as preocupações durante um encontro que o administrador distrital Esteves Machado manteve com os munícipes  e presidentes das  comissões de moradores.

O presidente da comissão de moradores, Jacinto Lonjonjy, denunciou a existência de grupos de marginais que cometem crimes violentos com recursos a arma de fogo e branca a qualquer hora do dia.

Explicou ainda que 65 residências encontram-se alagadas devido a existência de água salobra causada pelo lençol freático, obrigando os proprietários a retirar diariamente do interior das casas cerca de oito a 10 bacias de água.

Reconheceu  que o bairro Ngangula apresenta sérios problemas,  pois não possui ruas em condições, e para obtenção de água potável, os moradores recorrem aos camiões cisternas.

A moradora Susana Paulo dos Santos disse que o bairro encontra-se em situação muito crítica, " o que nos preocupa é a insegurança pública, por falta de policiamento, água potável e limpeza nas valas de drenagem".

O administrador do distrito urbano do Kima-Kieza, Esteves Machado, disse que os problemas que o bairro Ngangula enfrenta não diferem de outras zonas, mas existem projectos de curto e longo prazo para a resolução da situação.

Quanto a segurança pública, explicou que a Polícia Nacional continua a trabalhar para combater o crime na circunscrição.