O responsável prestou esta informação quando falava no acto de encerramento do primeiro curso de formação de mecânicos e tractoristas destinado a ex-militares, que decorreu de 30 de Setembro a 18 de Outubro deste ano, no Muloco, comuna de Samba Lucala, município de Samba Cajú, Cuanza Norte.

Disse que as máquinas vão apoiar a preparação de terras detidas por 119 cooperativas agrícolas, integradas por nove mil 331 ex-militares, constituídas até agora, nas províncias do Uíge, Bengo, Cuanza Sul, Moxico , Benguela, Bié, Huíla, Cabinda e Lunda Norte, no âmbito do programa de reintegração social desta franja da sociedade.

O processo de reintegração social dos ex-militares, que teve inicio em 1991, com término previsto para 2022, visa a criação de renda e sustentabilidade das famílias dos ex-combatentes abrangidos nos processos de paz de Bicesse, Lusaka, Luena e Namibe, através do fomento do auto emprego.

Adiantou que o processo de constituição de cooperativas agrícola vai continuar no sentido de abarcar um maior número de ex-militares no país.

Sem precisar o número, afirmou que o IRSEM controla igualmente outras cooperativas de reinserção dos ex-militares, apoiando-as com kits de moto-taxis, recauchutagem, alfaiataria, canalização, comércio, entre outros.

Por seu turno, o consultor da ministra da Acção Social, Família e Igualdade do Género, Almerindo Barradas, disse foram criadas em todo o país, numa primeira fase, duas escolas de formação de tractoristas e mecânicos destinados a ex-militares nas províncias do Cuanza Norte e Bié, que formarão um total de 208 tractoristas e 104 mecânicos, para a sustentabilidade desse projecto.

Nesta primeira fase, a escola do Cuanza Norte, formou 15 especialistas, dos quais 12 tractoristas e três mecânicos das províncias do Bengo, Cuanza Sul e Uíge, sem a participação de ex-militares locais.

A província do Cuanza Norte controla três mil 981 ex-militares integrados em diversos projectos de reintegração social.

Na ocasião, a vice-governadora do Cuanza Norte para o sector social, político e económico, Leonor Ferreira de Lima e Cruz enalteceu esta iniciativa, sublinhando que a mesma demonstra o comprometimento do Executivo com a reintegração dos ex-militares.

Exortou os recém-formados a aproveitarem ao máximo essa oportunidade, que além de beneficia-los, vai também contribuir para o desenvolvimento do país, por ser uma profissão com várias valências para o desenvolvimento agrário e o crescimento das comunidades.

Durante duas semanas, os formandos aprenderam sobre a “A constituição de um tractor”, “Mecanização agrícola”, “Manutenção dum tractor”, “Medidas de segurança na condução de um tractor nas comunidades”, entre outros temas.

O IRSEM controla actualmente, no país, 80 mil 357 ex-militares desmobilizados ao abrigo dos acordos de paz de Bicesse e Lusaka,  Luena e Namibe.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.