Em declarações à Radio de Cabo Verde, dois dos estivadores do porto afirmam que a direcção do porto não disponibilizou as condições mínimas de higiene, nem sequer sabão ou qualquer outro tipo de desinfectante e que os estivadores utilizam parte de uma botija de água para lavar as mãos.

Os dois representantes dos estivadores queixam-se das condições das instalações sanitárias e da necessidade de a Direcção do Porto criar as condições mínimas de higiene para a prevenção ao novo coronavírus e não só.

A directora do porto de Vale dos Cavaleiros, Rita Barbosa, contactada telefonicamente pela Inforpress para os esclarecimentos necessários afirmou que não está autorizada a dar entrevista ou quaisquer informações.

A Inforpress soube, no entanto, que a direcção do porto reuniu-se esta semana com os estivadores para os informar sobre a problemática do novo coronavírus e sobre a necessidade de prevenção.

A empresa de administração dos portos já adquiriu materiais e equipamentos de protecção e prevenção ao novo coronavírus que se encontra no porto da Praia e que deve chegar à ilha do Fogo a qualquer momento de modo a garantir a segurança dos estivadores e dos demais trabalhadores e funcionários do porto de Vale dos Cavaleiros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.