O governante, que falava na abertura da I reunião Ordinária do Conselho Provincial de Auscultação e Concertação Social, disse que continua preocupado com entradas e saídas de cidadãos nas fronteiras da província.

Com vista a dar resposta a eventuais violações, apontou, as forças de defesa e segurança e ordem interna deverão envidar maiores esforços para que a doença não entre na província, rastreando todos os cidadãos.

“ Até a presente data, a prevenção é a melhor medida de evitar a doença, apelando o respeito das medidas básicas, tais como uso obrigatório de máscara, lavar as mãos com água e sabão e o isolamento social”, asseverou.

Para os membros do Conselho Provincial de Auscultação e Concertação Social, Pereira Alfredo orientou a continuarem com as acções de esclarecimento dos cidadãos, visando assegurar o cumprimento obrigatório das medidas de biossegurança.

“Neste momento, devemos unir todos esforços na luta contra o inimigo invisível, a covid-19, que abraça o mundo e Angola, em particular, concretamente em Luanda (capital do país) e a cidade de Cazengo, na província do Cuanza Norte”, indicou.

A reunião abordou ainda, entre outros assuntos, a apreciação do grau de execução do Programa local de Combate a Pobreza do I semestre, apreciação dos projectos inseridos no Programa Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) e situação operativa na província.

Angola regista, até ao momento, em Luanda e no município de Cazengo (Cuanza Norte), 396 infectados, com 257 activos, 117 recuperados e 22 óbitos.

Cento e um casos não têm vínculo epidemiológico.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.