A informação foi avançada hoje, sexta-feira, no Lubango, pelo comandante da Polícia Nacional na Huíla, comissário Divaldo Martins, afirmando que entre os mercados encerrados destaca-se o do Mutundo e a Praça do Peixe, no município do Lubango, sendo que os efectivos estão a fazer patrulha diária, para que a ordem seja cumprida.

“Os mercados foram encerrados com a ajuda das administrações e a polícia faz com que a ordem seja cumprida, estando em funcionamento mercados que têm as condições de higienização e segurança dentro das medidas orientadas pela Organização Mundial da Saúde”, disse.

Em relação ao crime de desobediência, o comissário declarou que mais de 400 cidadãos foram detidos por estarem a circular sem justificação, a exercer actividades não autorizadas ou fora do horário estipulado, assim como aqueles que se insurgiram contra as forças policiais.

Foram igualmente apreendidos mais de 400 motociclos por exercerem a actividade de mototáxi, disse o comandante, admitindo que o processo não é fácil, mas julgam que com alguma colaboração dos populares e apoio do Governo vão conseguir paulatinamente diminuir a circulação.

Fez saber que os efectivos da delegação do Ministério do Interior na Huíla têm a tarefa de garantir a segurança da cerca sanitária nos 11 postos de controlo na província, impedindo a entrada de pessoas fora do quadro de excepção definida.

O Estado de Emergência cumpre nesta sexta-feira 15 dias, tendo sido prorrogado automaticamente na quinta-feira, pelo Presidente João Lourenço, com a anuência da Assembleia Nacional.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.