O oficial comissário lançou o repto durante um encontro com os agentes económicos desta província, com 5.700 estabelecimentos mercantis e de prestação de serviço, num total de dois milhões, 519 mil e 309 habitantes, distribuídos em 11 município.

O também delegado local do Ministério do Interior realçou que a falta de queixa, por parte dos empresários, tem dificultado em grande medida a actuação das forças encarregues pela manutenção da ordem e da tranquilidade pública.

“Não existe condições para pôr a Polícia em todos os cantos da província, por isso, precisamos a colaboração de todos, de modo a evitar que os meliantes ganhem espaços, com realce para a não acumulação de avultadas somas monetárias nos estabelecimentos comerciais e ter uma óptima segurança: câmaras de vigilâncias, quer na parte externa, quer na parte interior, assim pessoal formatado”, enfatizou.

O comissário Francisco Monteiro Ribas da Silva referiu que todo empresário deve saber quando ganha o seu segurança e caso o seu pagamento seja de 15 mil Kwanzas, deve ter a noção que o seu estabelecimento não possui segurança.

A ANGOP apurou durante o encontro que, entre 2017 a 2018, os agentes económicos tiveram uma perda de 43 milhões, 802 mil e 500 kwanzas em furtos e roubos, ocorridos nos estabelecimentos comerciais.

Assalto em superfície comercial

Refira-se que na segunda-feira (2), um grupo integrado por quatro meliantes assaltou, por volta das 12h30 minutos, no bairro de São José, o estabelecimento da firma Namunga e Filhos, tendo deixado no local dois feridos, entre os quais Laurindo Cambiambia, atingido na região do abdómen e que acabaria por perder a vida mais tarde.

Os referidos indivíduos, já identificados pela Polícia Nacional, e que se faziam transportar em motorizadas, subtraíram do local um montante de 500 mil kwanzas que estavam a ser processados, na altura, por funcionários do estabelecimento para serem transportados para uma agência bancária.

De acordo com a Polícia Nacional, em coordenação com o Serviço de Investigação Criminal (SIC), diligências estão em curso para a detenção dos referidos meliantes.

Por este facto, o comissário Francisco Monteiro Ribas da Silva incentivou os empresários a reforçar os seus sistemas de segurança e, ao mesmo tempo, denunciarem qualquer indício criminal, quer no interior do estabelecimento, quer nos arredores do mesmo, para evitar que o pior aconteça.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.