O comércio de produtos como o osso de tigre ou o chifre de rinoceronte será autorizado em circunstâncias "particulares", anunciou o governo chinês em circular firmada pelo primeiro-ministro, Li Keqiang.

Entre estas circunstâncias "particulares" estão pesquisa científica, venda de obras de arte e "pesquisa de tratamentos médicos".

O osso de tigre e o chifre de rinoceronte moídos são ingredientes cobiçados na medicina tradicional chinesa, apesar da polémica sobre suas virtudes.

Para se ter acesso a estes produtos será necessária uma autorização especial e apenas os médicos de hospitais reconhecidos pela Administração Nacional de Medicina Tradicional poderão utilizá-los, destaca a circular.

Os volumes comerciais serão "estritamente controlados" e o comércio destes produtos estará proibido, excepto nos casos previstos.

A medida revoga a proibição total adoptada em 1993, mas o mercado negro substituiu o comércio legal e muitos produtos proibidos entram na China pelo Vietname, segundo os movimentos ecologistas.

"A retomada do comércio legal poderá não apenas servir para encobrir o tráfico clandestino, mas também para estimular uma demanda que havia baixado quando a proibição entrou em vigor", lamentou Margaret Kinnaird, responsável por biodiversidade do Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

O tigre está classificado como espécie em risco de extinção pela União Internacional para a Conservação da Fauna (UICN).

Em relação às distintas espécies de rinocerontes, a UICN os classifica em várias categorias: "vulneráveis", "quase ameaçado" ou "em risco crítico de extinção".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.