Na quinta edição deste acontecimento gastronómico em torno da cozinha francesa as actividades decorrem ao longo de quatro dias em cerca de 150 países.

No que diz respeito à África lusófona dois restaurantes de Luanda propõem uma ementa própria (Menu Goût de France 2019), numa iniciativa do Ministério francês dos negócios estrangeiros.

São eles o restaurante contemporâneo Kook, que dispõe também de uma cozinha japonesa, e a Brasserie Bento, restaurante com esplanada, piscina, bar exterior e duas salas.

Este último propõe uma ementa própria para o acontecimento servida ao jantar de quinta-feira até sábado.

O cardápio foi escolhido pela gerente Marion Simon e pelo respectivo chef, o beninense Prosper Haikou.

Ele que já trabalhou em França, no Benim e em Angola estando neste restaurante há dois anos.

O destino gastronómico deste ano foi a região do Sul de França:a Provença (Provence).

Daí as escolhas dos pratos que compõem a ementa facturada, com vinho tinto (um Bordéus tinto de 2013 Mouton Cadet), 20 000 kwanzas, sem bebidas (ou 55 euros, ou 65 dólares).

Foi o caso do gorgonzola, Nice é a cidade da qual é originária a gerente do restaurante, território italiano até há século e meio, com forte influência transalpina também na comida.

Os legumes seleccionados também são típicos desta região meridional da França onde também se serve frequentemente queijo de cabra, que consta igualmente do cardápio.

A refeição começa, porém, com vieiras com gambas e molho da casa. O prato de carne proposto é um pavé de lombo de vaca com, então, esse molho gorgonzola e legumes recheados.

A tábua de queijos de cabra antecede a sobremesa, no caso pudding flan de cerejas frescas.

O título do evento é um trocadilho de palavras entre o francês e o inglês, já que “sabor de França” (goût de France, em francês) se pronuncia de forma semelhante a “boa França” (good France, em inglês).

Esta edição de 2019 foi colocada sob a tónica do respeito do planeta e o apoio à fundação “No more plastic” (chega de plástico) de Alexandra Cousteau, neta do explorador sub-aquático Jean-Yves Cousteau, nomeada Embaixadora da Terra pelas Nações Unidas.

Pretende-se, desta feita, lutar contra a poluição dos oceanos, através da redução da utilização do plástico.

Por este ser extremamente poluente e levar muito tempo a se decompor, poluindo em terra e no mar.

Um material que muitas vezes acaba mesmo por ser engolido pelos peixes, pelo que o homem ao comer peixe, muitas vezes acaba por ser vítima também da poluição marítima de sacos de plástico a boiar nas águas do planeta.

Esta temática ecológica enquadra-se também no seguimento que se pretende dar à COP21, a Conferência das Nações Unidas de combate às alterações climáticas realizada precisamente em Paris em Dezembro de 2015.

A outra tónica associada ao evento é a comida saudável pelo que na confecção das refeições se procura usar menos gordura, menos sal e menos açúcar.

Marion Simon, gerente do restaurante luandense Brasserie Bento, conta o que foi previsto para assinalar este certame; com um jantar proposto a partir desta quinta-feira.

 

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.