O acto marca o 44º aniversário da Indepedência de Angola, cujo acto central da efeméride terá lugar na Kibala, província do Kwanza Sul, e será presidido pelo vice-Presidente Bornito de Sousa.

As comemorações, no entanto, decorrem em todo o território nacional, sob o lema “Unidos pelo Desenvolvimento de Angola”.

A Independência de Angola foi proclamada a 11 de Novembro de 1975, pelo primeiro Presidente Agostinho Neto.

Este acontecimento deveu-se, em grande parte, aos acontecimentos militares e políticos que ocorreram um ano antes em Portugal, aquando da Revolução de 25 de Abril de 1974.

O controlo do país estava dividido pelos três maiores grupos nacionalistas MPLA, UNITA e FNLA, pelo que a independência foi proclamada unilateralmente, pelos três movimentos.

O MPLA que controlava a capital, Luanda, proclamou a Independência da República Popular de Angola às 23h de 11 de Novembro de 1975, pela voz de Agostinho Neto dizendo, “diante de África e do mundo proclamo a Independência de Angola”, culminando assim o périplo independentista, iniciado no dia 4 de Fevereiro de 1961, com a luta de libertação nacional, estabelecendo o governo em Luanda com a Presidência entregue ao líder do movimento.

Holden Roberto, líder da FNLA, proclamava a Independência da República Popular e Democrática de Angola à meia-noite do dia 11 de Novembro, no Ambriz.

Nesse mesmo dia, a independência foi também proclamada em Nova Lisboa (Huambo), por Jonas Savimbi, líder da UNITA.

Logo depois da declaração da independência iniciou-se a guerra civil angolana entre os três movimentos.

Esta guerra durou até 2002 e terminou com a morte, em combate, do líder histórico da UNITA, Jonas Savimbi.

Depois da morte em 1979 de Agostinho Neto, foi escolhido José Eduardo dos Santos para dirigir o MPLA e o país.

Ele deixou o poder em Setembro de 2017, quando João Lourenço, eleito meses antes líder do MPLA, depois de Santos ter decidido não concorrer, ganhou as eleições.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.