O director provincial do Gabinete de Desenvolvimento Económico, Joaquim Gimbe, que prestou a informação à Angop, explicou que se trata de dois de venda de bens de primeira necessidade e um de produtos farmacêuticos.

Acrescentou que os referidos estabelecimentos comerciais especulavam preços, aproveitando-se do Estado de Emergência que vigora no país desde o dia 27 do corrente mês, devido à pandemia do coronavírus (Covid-19). Os mesmos encontram-se já a contas com a Justiça.

O responsável informou que o encerramento resultou do trabalho de inspecção para a averiguação de preços, no âmbito do decreto presidencial.

Na ocasião, advertiu os operadores económicos a absterem-se da prática de especulação de preços de bens e serviços, sob pena de serem sancionados com base na lei vigente no país.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.