Segundo a nota, o recurso aos caminhos-de-ferro de Benguela (CFB), deve- se ao desabamento, terça-feira(13), da ponte alternativa criada sobre o rio Luachimo, cujo incidente inviabilizou a circulação rodoviária, condicionando a transferência de combustível para a província do Moxico.

A Sonangol informa não se tratar  de uma ruptura de stock de produtos e que  de  momento todas as acções estão a ser desenvolvidas no sentido de se  ultrapassar  os   constrangimentos  no mais curto espaço de tempo.

No documento a empresa assegura a existência dos derivados de petróleo, informando que o processo de distribuição dos  produtos e transferências inter-parques seguem o seu curso normal.

Reconhece que a situação do Moxico é pontual, pelo que, a acção da empresa é tão -somente preventiva, não existindo quaisquer razões para inquietações nem excessos.