Os estudos preliminares, de acordo com a nota da Sonangol a que a Angop teve hoje acesso, estimam em aproximadamente 230 a 300 milhões de barris de petróleo leve.

O poço Kalimba-1 NFW provou a presença de óleo de alta qualidade (33° API), em areias do Mioceno Superior com excelentes propriedades petrofísicas. Os testes preliminares feitos no Kalimba-1 indicam uma capacidade de produção superior a cinco mil barris de petróleo/dia.

A estrutura Kalimba, está localizada a aproximadamente 150 km da costa e a 50 km a sudeste do FPSO Armada Olombendo (Polo Este). O poço kalimba -1, foi perfurado pela sonda West Gemini numa profundidade de água de 458 metros e atingiu uma profundidade total de 1901 metros.

Esta descoberta abre novas perspectivas para a exploração de petróleo na parte sul do Bloco 15/06 que, até a perfuração deste poço, foi considerada principalmente propensa ao gás, criando assim novas oportunidades de potencial valor no Bloco.

O grupo empreiteiro, composto pela ENI, que é a operadora com 36.84% de participação, Sonangol P&P (36.84%) e SSI Fifteen Limited (26.31%), trabalhará para avaliar a descoberta e iniciará os estudos com rapidez para acompanhar o seu desenvolvimento.

No Bloco 15/06, os dois projectos de desenvolvimento de petróleo, Polo Oeste e Polo Este, produzem actualmente cerca de 150.000 barris de petróleo por dia.

De referir que em finais de 2018, prevê-se iniciar a produção do campo de Vandumbu, que será conectado ao Pólo Oeste. Com a entrada em produção do Vandumbu haverá um ligeiro aumento na produção do bloco.

Este campo irá contribuir com 30 mil barris de petróleo à produção total do Bloco 15/06, que em 2019 excederá 170 mil de petróleo/dia.

Esta descoberta surge numa altura em que o País, com a produção a oscilar entre 1,5 e 1,6 milhões de barris/dia, pretende adicionar, até 2020, mais 250 mil barris diários, razão pela qual a concessionária nacional, a Sonangol, está a conversar com as principais empresas operadoras para relançar a produção no país.

Prova desse engajamento para relançar a produção, hoje (terça-feira), a Sonangol e a petrolífera estatal norueguesa Equinor ex-Statoil) assinaram um memorando, para que esta última continue a investir na exploração e contribua no aumento da produção de petróleo em Angola.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.