João Baptista Borges manifestou esta satisfação após uma visita aos stands na Feira Internacional de Luanda (FILDA), que decorre até dia 27, sobre o lema “Os desafios da atracção de Investimento: estratégia, legislação, instituições, infra-estruturas e recursos humanos”.

Segundo o ministro, essas empresas têm condições para serem bons parceiros do pelouro que dirige através dos projectos que desenvolvem quer ligados à energia eléctrica e às águas.

Incentivou a participação de outras empresas nestes tipos de eventos, por ser a montra para mostrar “tudo o que fazem e as suas capacidades, dando a possibilidade e interagirem com outros profissionais no mesmo ramo ou de outros, porque é desta forma que se dinamiza a economia angolana”.

João Baptista Borges explicou que quando visita este tipo de feiras a curiosidade reside naquelas áreas ligadas ao pelouro que dirige, como produção eléctrica, das águas, extinção de incêndios e segurança no trabalho, para poderem ver as novidades existentes.

Para este ano, acrescentou, existe uma melhoria a nível de soluções tecnológicas e de empresas que participam pela primeira vez, apresentando marcas importantes.

“Foi bom constatar melhorias quer em número de expositores - mais países participam pela primeira vez -, quer também na variedade dos produtos expostos. É um crescimento qualitativo e quantitativo que alegra a todos”, concluiu o ministro.

A feira, com término marcado para domingo, tem por objectivo a captação de investimentos nacionais e estrangeiros de modo a potencializar o mercado angolano com bens e serviços.  

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.