Para o alcance das metas, o sector vai desenvolver acções, como o reforço institucional, assistência técnica, a reabilitação de  12 mil e 600 hectares de plantas nas zonas tradicionais no País.

No domínio da assistência técnica, serão envolvidos os produtores familiares, empresas, cooperativas e associações no sentido de promoverem a extensão rural e a promoção do cooperativismo.

Entretanto, o Instituto Nacional do Café propõe-se, a nível do agronegócio, dinamizar o mercado, nos aspectos ligados ao processamento, torragem, moagem, consumo e exportação.

O documento projecta uma produção mínima de 14 mil toneladas até 2027, com aumentos sucessivos nos anos subsequentes.

Angola tem uma produção anual de sete mil toneladas de café, ainda está longe de recuperar as 240 mil toneladas, colhidas em 1972.

No país, o quilograma de café mabuba é comercializado a 150 a 200 kwanzas e café comercial entre 350 a 400 kwanzas.

O subprograma do café  será implementado nas províncias do Cuanza Norte, Cabinda, Uíge, Bengo  Cuanza Sul, Benguela, Huíla, Huambo, Bié e Malanje.