Os expositores presentes, mais de vinte e muitos estrangeiros, garantem que há espaço para todas as empresas do ramo, demonstrando que esta área de negócio está de boa saúde e que os projectos no nosso país se mantêm desafiantes, afirmação também defendida pelo Vice-Ministro dos Petróleos, José Gualter Inocêncio.

Apesar do grande número de petrolíferas em Angola, Gualter Inocêncio reafirmou que ainda temos muito para crescer no ramo, opinião partilhada pela Chevron que nos disse que "cada empresa tem uma mais valia para o país e por isso vivemos uma concorrência bastante saudável".

Quem visita o pavilhão das petrolíferas tem à disposição uma série de projectos focados na protecção do ambiente e em novas fontes de energia e áreas de negócio, que provam a aposta forte no sector.

De destacar ainda a preocupação com a responsabilidade social e o ambiente, realçados pela BP e pela Angola LNG, empresa de gás natural liquefeito, instalada no Soyo.

Neste quarto dia, não faltam também os jogos interactivos que aliam a diversão ao conhecimento e a animação musical com Yannick Afroman, Puto Português, Zona 5, Matias Damásio, entre outros.

Dos stands presentes destacamos empresas como a Chevron, Sonangol, BP, Angola LNG, GALP, Total ou Esso.

Angola é o segundo maior produtor de petróleo da África sub-sariana, representando em média 90 por cento das exportações, 50 por cento do PIB e 80 por cento dos rendimentos tributários.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.