“Mais vasto”, “mais organizado” e acima de tudo “menos exposto à criminalidade”, é como alguns investidores classificaram a ZEE (Zona Económica Especial), nova residência da maior feira internacional de Luanda.

Paulo Cancela, Diretor Comercial da Purangol, marca que participa pela segunda vez na FILDA, aplaudiu a organização, declarou estar a ver mais espaços para estacionamento de viaturas e muito menos burocracia no acesso ao recinto, pontos que não estiveram tão fortes na 33ª edição. “Não tem de ser necessariamente dentro da cidade, este espaço físico preenche perfeitamente os requisitos e as acessibilidades são óptimas. Achei a ideia boa, até porque o novo aeroporto será aqui”, frisou.

Dina Simão, que falou em representação da marca Dinda, aconselhou os luandenses a (re)descobrirem a sua capital, deixando somente de pôr os olhos à iniciativas que acontecem no centro da cidade. “Luanda é grande e todas as suas zonas merecem ser exploradas. O que uns chamam de distância, para quem quer, passa a ser só um detalhe”, disse a conhecida profissional da TV Zimbo.

Já Ana Maria Domingos, gerente da Fazenda Filomena, que participa pela primeira vez como expositora na feira, revelou a sua sensação de conforto. “Estamos a sentir-nos muito bem aqui. Nas edições anteriores, pude ouvir alguns relatos de vandalização de viaturas, o que até agora não foi verificado nesta nova zona. A segurança e a participação de pessoas realmente interessadas em criar boas relações são pontos notáveis nesta ‘nova’ FILDA”, afirmou a responsável.