O diplomata,  que visitou na tarde de desta quarta-feira o pavilhão das empresas  sul-africanas na feira, referiu que  os governos de Angola e da África  Sul têm renovadas  e  reforçadas as relações de cooperação, sobretudo no domínio do comercial e económico.

Com  as  novas leis  sobre  o  Investimento Privado  e  da  Concorrência,  recentemente,  aprovados pelo Executivo, o  diplomata acredita que em Angola se abre uma  nova era,  que permitirá reforçar as relações de cooperação com os demais países.

Ao falar à Angop, o embaixador sul-africano avançou  que muitos   empresários  do seu país  querem abrir  representações em Angola nos mais variados segmentos da actividade económica e augura o mesmo da classe empresarial angolana.

A  África do Sul participa na  Feira  Internacional de  Luanda com   20  empresas, ligadas  aos ramos de bebidas,  calçados, construção  civil,  engenharia   agricultura e  saúde.

A 34ª edição da FILDA, aberta terça-feira, conta com a participação de 372 expositores de Angola (país Anfitrião), África do Sul, Espanha, Estados Unidos da América, Gana, Holanda, Índia, Itália, Macau, Portugal, Reino Unido, Rússia, Suécia, Turquia, Uruguai, Japão e Moçambique, que estão a expor numa área de aproximada de três hectares.

Pelo menos 69 por cento das empresas expositoras desta edição promovida pelo Ministério da Economia e do Planeamento e o grupo eventos Arena são nacionais.

Na feira, que decorre na Zona Económica Especial Luanda Bengo (ZEELB), estão em exposição produtos e serviços dos sectores do ambiente, energia e petróleos, agricultura, pecuária, bebidas, banca e seguros, comércio geral, construção, imobiliária, educação, formação e cultura, hotelaria e turismo, indústria transformadora e extractiva, logística e transportes, máquina e equipamentos, telecomunicações, energia, entre outras.