Segundo a representante da Associação da Indústria Cimenteira de Angola, Jéssica Boco, que falava hoje à Angop no segundo dia de trabalhos da maior bolsa de negócios do País, a FILDA  é uma feira de empresas e o grémio espera firmar algumas parcerias.

A associação pretender ver reduzidas as taxas de exportações, porque nos últimos tempos as empresas estão a ter muitas dificuldades para exportar o cimento, daí defender a aproximação de pontos de vista com o Governo.

Na sua óptica, as dificuldades de divisas podem ser ultrapassadas com o estabelecimento de parcerias com empresas internacionais.

A associação da Indústria Cimenteira de Angola (AICA) é uma organização sem fins lucrativos, de âmbito nacional, e conta cinco empresas, nomeadamente a CIF, Cimangola, FCKS, Cimenfort e Secil Lobito, que têm uma capacidade instalada de 8,6 milhões de toneladas de cimento/ano, quando as necessidades internas estão avaliadas em seis milhões de toneladas/ano.

A 34ª edição, que conta com 372 expositores, um aumento de 125 expositores em relação a 2017, tem a participação de empresas de Angola (país Anfitrião), África do Sul, Espanha, Estados Unidos da América, Gana, Holanda, Índia, Itália, Macau, Portugal, reino Unido, Rússia e Suécia. Fazem ainda parte Turquia, Uruguai, Japão e Moçambique que estão a expor numa área aproximada de três hectares.

Rússia e o Gana são os estreantes, enquanto o Brasil, tradicional participante, é o grande ausente desta edição, que decorrerá sob lema “Diversificar a Economia, Desenvolver o Sector Privado". Mantendo a tradição, Portugal continua a ser o maior expositor estrangeiro de sempre e desta vez vem com 25, contra 16 de 2017.

Numa promoção do Ministério da Economia, em parceria com a empresa Eventos Arena, na FILDA estão patentes produtos e serviços de vários sectores como do ambiente, energia e petróleos, agricultura, pecuária, bebidas, banca e seguros, comércio geral e construção. I

Inclui também as áreas da imobiliária, educação, formação e cultura, hotelaria e turismo, indústria transformadora e extractiva, logística e transportes, máquina e equipamentos, entre outras.

Em paralelo às exposições, a organização promove workshops e seminários, com destaque para a relativa à abordagem da nova legislação do Investimento Privado e ao Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022.