As infra-estruturas servirão para acomodar os expositores da Turquia, que se estreou na edição anterior da FILDA com 95 empresas, e da China, que participa pela primeira vez nesta edição da feira, informou o Jornal Expansão.

A Itália também manifestou a intenção de aumentar o seu espaço de exposição com a vinda de um elevado número de empresas.

A informação foi anunciada pelo presidente do conselho de administração (PCA) da FIL, empresa gestora da FILDA, Matos Cardoso, aquando da conferência de imprensa realizada recentemente em Luanda para anunciar o programa de actividades relativo às comemorações dos 30 anos da FILDA, que é realizada desde 1983.

O início das obras está aprazado para o próximo mês de Março, e o seu valor não foi avançado, mas o gestor indicou apenas que a execução de um pavilhão de 5 mil metros quadrados, por exemplo, está cifrada entre 7 e 10 milhões USD, pelo que o orçamento global deverá ultrapassar largamente este valor.

"É um assunto que está a ser tratado junto do Executivo angolano, pois a FIL sozinha não tem condições financeiras para custear a construção dessas infra- estruturas, que irão aumentar as nossas capacidades de absorver expositores no evento", disse.

Segundo Matos Cardoso, caso os pavilhões sejam erguidos, o número de expositores deverá ultrapassar os 700, pois há três anos que o número se mantêm nas sete centenas por falta de capacidade.

Fonte: Expansão

Foto: Expansão

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.