A informação foi avançada hoje, em Luanda, durante um encontro entre o ministro da Agricultura e Florestas, Marcos Alexandre Nhunga, o presidente do FIDA, Gilbert Fossoun Houngbo, que está em Angola para avaliar o grau execução dos programas do sector financiados pelo fundo.

O Projecto de Recuperação Agrícola poderá beneficiar pelo menos oito mil famílias agrícolas.

Além deste projecto, o FIDA está apoiar o Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar (SAMAP), que está a ser implementado nas províncias do Cuanza Sul e Huíla, com um financiamento de 38,8 milhões de dólares, que beneficia 60 mil agricultores familiares.

Deste valor, USD 28,8 milhões financiado pelo fundo, 8,2 milhões de dólares do Governo angolano e 1,1 milhões de dólares da participação dos beneficiários.

Está também em fase muito avançada negociações o financiamento de novos projectos para a agricultura familiar, que se prevê uma participação financeira do FIDA, Banco Árabe para o Desenvolvimento Africano (BADEA) e a Cooperação Francesa.

Na ocasião, o ministro Marcos Alexandre Nhunga, disse que o Executivo tem a agricultura como o principal pilar para catapultar o desenvolvimento do país, daí a especial atenção e os investimentos feitos no sector, particularmente para a agricultura familiar.

Para o presidente do Fundo, Gilbert Fossoun Houngbo, é motivo de satisfação a forma como o Governo está engajado na implementação dos projectos, com vista a satisfação dos anseios das populações no âmbito do programa de luta contra a fome e a pobreza.

Com mais de 35 milhões de hectares de terras aráveis disponíveis, o sector agrícola preparou, para campanha agrícola 2018/2019, mais de cinco milhões de hectares em todo o país para o sector empresarial e familiar, com vista a produzir cereais, tubérculos, frutas, vegetais e oleaginosa, visando reduzir as importações.

A perspectiva é produzir mais de 21 milhões de toneladas de produtos agrícolas diversos, com destaque para cereais e tubérculos.

O FIDA é uma agência especializada das Nações Unidas criada em 30 de Novembro de 1977 e tem a função de uma instituição financeira, com o objectivo de contribuir para a erradicação da fome e da pobreza no mundo.