O projecto tem no tomate a sua cultura de destaque e planta mensalmente cinco  hectares. Até ao momento, foram colhidas 72 toneladas do produto, prevendo-se ainda outras 165 até Outubro do corrente ano, disse hoje, terça-feira, o gestor da fazenda, Cristiano Vandick.

A par do tomate, foram ainda colhidas e comercializadas nas províncias de Malanje, Lunda Norte, Lunda Sul e de Luanda 31 toneladas de repolho, 30 de milho, 23 de pepino, 16 de beringela, 15 de cebola, cinco de pimento e feijão, assim como três de jindungo.

De acordo com o responsável, em 2019, a produção cifrou-se em 180 toneladas de tomate, 40 de repolho, 50 de melancia, 20 de pimento, 25 de cebola, 14 de feijão e 10 de pepino.

O responsável precisou que, na próxima campanha agrícola, perspectiva-se elevar a produção, mas tal intenção está condicionada à falta de incentivos, com destaque para  fertilizantes e insecticidas, cujos preços triplicaram nos últimos tempos, para além das  dificuldades para o escoamento dos produtos.

Neste particular, lamentou a deterioração, em 2019, de sete toneladas de tomate, em função da inacessibilidade das vias, sobretudo no tempo chuvoso.

Por outro lado, Cristiano Vandick adiantou que o projecto está a criar condições para apostar na criação de suínos e de peixes, com vista a abastecer o mercado local.

Instalada numa área de 850 hectares, a fazenda Seleca foi reaberta em 2017, após longos anos de paralisação, e conta actualmente com 50 trabalhadores efectivos e 100 colaboradores.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.