Mike Pompeo avançou essa informação quando discursava num encontro promovido pela Câmara de Comércio Estados Unidos-Angola (Usacc), onde anunciou que os EUA querem ser “bons parceiros do povo angolano”.

O investimento a ser realizado pelas companhias norte-americanas, afirmou o chefe da diplomacia americana, vai beneficiar, também, o povo angolano.

Pompeo disse que a agenda de reformas de transparência financeira e combate à corrupção, implementada pelo Presidente angolano, João Lourenço, precisa de continuar e se enraizar.

“E se for conjuntamente bem feito, mais acordos serão alcançados e as instituições tudo farão para promover o emprego e a riqueza. Faremos a nossa parte para o povo angolano alcançar a prosperidade”, afirmou o secretário de Estado norte-americano.

Nova Cooperação Financeira

No seu discurso dirigido, às autoridades angolanas e americanas, bem como aos empresários dos dois países, Mike Pompeo falou de uma iniciativa americana denominada “Nova Cooperação Financeira”, avaliada em USD 60 mil milhões.

Lançada há 45 dias,  visa a captação de investimento privado em países (…), principalmente para sectores como agricultura e energia.

De acordo com o responsável dos EUA, grande parte dos USD 60 mil milhões dessa iniciativa destina-se ao continente africano.

Iniciativa Prospera África

Sobre à iniciativa “Prospera África”, informou, igualmente, que decorrem conversações no ramo da energia, que reiniciarão em Junho.

“ É uma iniciativa de energizar África e as empresas de energias e minas, preparam-se, desde 2019, para um empréstimo do Banco Africano de Desenvolvimento, avaliado em USD 570 milhões, para interligar sistemas eléctricos, que estavam separados.

O chefe da diplomacia americana, que realizou uma visita de 24 horas a Angola, já esteve no Senegal, deixou a capital angolana ao meio da tarde de hoje, com destino à Etiópia.

Angola e os Estados Unidos da América têm relações de cooperação em vários domínios.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.