A decisão, a que a Lusa teve acesso, foi tomada hoje pela Comissão Económica do Conselho de Ministros, como resposta aos efeitos da pandemia do novo coronavírus e da redução acentuada do preço do barril de petróleo no mercado internacional sobre as empresas e as famílias.

Além desta medida, que significa para os trabalhadores um ganho de 3% no seu salário, o executivo angolano vai disponibilizar 315 milhões de kwanzas (517 mil euros) para apoiar as famílias mais carenciadas com bens da cesta básica.

Será também iniciado em maio de 2020, a primeira fase do Programa de Transferência Social Monetária, para agregados familiares economicamente vulneráveis.

É também recomendado às empresas do setor de energia e águas que não efetuem cortes de fornecimento de água e energia elétrica durante o mês de abril.

Angola registou até agora 19 casos de infeção pelo novo coronavírus e declarou o estado de emergência no dia 27 de março até às 23:59 do dia 11 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 87 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 280 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O novo coronavírus provocou 572 mortos em África e há o registo de 11.400 casos em 52 países, enquanto 1.313 pessoas já recuperaram, de acordo com os mais recentes dados sobre a pandemia da covid-19 no continente.

RCR // VM

Lusa/Fim

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.