Em declarações hoje à Lusa, no final de cerimónia de posse do conselho de administração da ANRM, o presidente do conselho de administração da Endiama, Manuel Ganga Júnior, referiu que as mudanças estruturais em curso visam "arrumar a casa".

"Esse momento significa arrumar a casa, há mudanças estruturais grandes. Durante este processo destes dois anos estivemos a trabalhar para a reestruturação do setor e esta é uma fase com a entrada, nomeação e funcionamento da ANRM, é bom para nós e para o país", afirmou hoje, em Luanda.

No quadro da reestruturação do sector dos subsetores dos recursos minerais, petróleo e gás, a criação da Agência Nacional de Recursos Minerais, segundo as autoridades angolana, traduz-se num "passo fundamental" para o sector.

A ANRM terá a atribuição de concessões mineiras, negociações de contratos, e outros, funções anteriormente exercidas pela Endiama, como concessionária.

"Agora teremos o processo de transferência de um conjunto de funções que íamos executando, é um processo e penso que será bom para nós", argumentou Ganga Júnior.

Em relação ao Polo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, província angolana da Lunda Sul, que prevê a construção de quatro fábricas de lapidação de diamantes, cuja execução física está já a 50%, disse tratar-se de uma acção que irá "melhorar a prestação" no sector.

O Polo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, apresentando na passada semana, "tem várias nuances, entre elas a formação profissional para todo o subsector dos diamantes e toda a cadeia de valor".

Este polo, um investimento de 77 milhões de dólares (68,6 milhões de euros), é uma infraestrutura que está a ser erguida numa área de mais de 305 mil quilómetros quadrados na região leste de Angola.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.