Em declaração nesta terça-feira à Angop, o chefe dos Serviços de Veterinária no Cunene, Estevão Kamalanga, disse que a medida visa evitar a entrada no país de carnes e enchidos produzidas pelas empresas Enterprise Food e Rainbow Chicken Limited, como medida preventiva ao risco de contaminação alimentar.

Além do controlo nas fronteiras, como medida preventiva, as autoridades da província estão a realizar visitas de inspecção a todos estabelecimentos comerciais, para certificar se os comerciantes têm nos seus stocks tais produtos.

Em função da situação, referiu que a comissão provincial mobilizou um grupo técnico composto por membros da inspecção do comércio, saúde, Instituto de Defesa do Consumidor (Inadec), Serviço de Investigação Criminal (SIC) e a Administração Geral Tributária (AGT), em colaboração com as autoridades namibianas, está a trabalhar na zona fronteiriça, com o objectivo de passar informações e impedir a entrada destes produtos.

O responsável assegurou que apesar de a província ser uma das principais portas de entrada terrestre de produtos da África do Sul para o país, ainda não há registo da comercialização destes produtos.

O Instituto de Serviços de Veterinária de Angola emitiu no último final de semana uma ordem para que todas carnes importadas da África do Sul das marcas produzidas pelas empresas enterprise Foord e Rainbow Chicken Limite (RCL Food) fossem imediatamente destruídas.

Ordenou uma vigilância às fronteiras aéreas, marítimas e terrestres e pediu aos consumidores a denunciarem situações suspeitas de incumprimento, devido ao risco de propagação para Angola da grave epidemia da Listeriose, que afecta a África do Sul e Moçambique.

A listeriose é uma grave infecção alimentar, que afecta a África do Sul há mais de um ano e começou a se espalhar pelos países da SADC, tendo já causado mais de duas centenas de mortes e milhares de contaminação.

A listeriose é uma infecção bacteriana provocada pelo bacilo "listeria monocytogenes" e figura entre as zoonoses – doenças transmitidas de animais para humanos – mais perigosas. Geralmente, causa febre, vómitos e diarreia e é tratada com antibióticos.