O encontro, por video-conferência, foi orientado a partir de Dar es Salaam (Tanzânia), pela secretária-geral da Comunidade, Stergomena Tax.

A Tanzânia detém a presidência rotativa da organização.

No final da sessão, o ministro angolano dos Transportes, Ricardo de Abreu, afirmou à imprensa que o documento adoptado visa assegurar que não haja impedimento no transporte de mercadorias, principalmente, a nível dos países que não têm acesso ao mar.

As directrizes estão alinhadas com as orientações das autoridades sanitárias locais que, no caso de Angola, tem a ver com o período de quarentena que deverão, obrigatoriamente, ser observado pelos tripulantes que venham de países da região, conforme o estabelecido no Decreto Presidencial 82/20 e no Decreto Executivo 129/20 do Ministério dos Transportes.

Ainda de acordo com o ministro dos Transportes a quarentena institucional é um aspecto que o Estado angolano não pode evitar nesta altura, fundamentalmente, enquanto não houver condições de testagem nos postos fronteiriços. Com o evoluir ou não da doença outras medidas poderão ser tomadas e talvez uma flexibilização pode ser adoptada.

Fizeram parte da delegação angolana, encabeçada pelo ex-ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, o ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, entre outros membros do Executivo angolano.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.