"Um país como Angola com grandes potenciais e sempre bom tê-lo como
amigo e estabelecer com o mesmo parcerias para fortalecer as relações
nos mais variados sectores de qualquer nação", reconheceu o político
cabo-verdiano, na trigésima primeira edição da Feira Internacional
Luanda (Filda), que decorre até ao dia 27 do mês em curso (domingo).

Disse que a sua presença na FIL visa mostrar às autoridades angolanas
as boas relações existentes entre os dois povos e como Cabo Verde quer
posicionar-se aos investimentos angolano no seu país, nos mais variados
domínios, com destaque na aceleração da economia da lIha do Sal.

Segundo disse, dado o reconhecimento mundial que Angola já alcançou nos
mais variados sectores, o país da Palanca Negra Gigante pode servir de
uma porta para que as empresas cabo-verdianas  possam atingir outros
mercados.
“Cabo verde pertence a uma região africana com mais
de trezentos milhões de consumidores e com um mercado onde é possível
aumentar os investimentos”, disse.

De acordo com o responsável,
o desenvolvimento que Angola alcançou no domínio económico, político e
não só, orgulha também os países da região e do continente.
Cabo Verde participa nesta 31ª edição da Filda com 43 empresários.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.