Em declarações à Angop, sobre o estado do B777 - 300 ER e sua operacionalidade, o sub-director  comercial da companhia, Alipio de Azevedo, explicou que o mesmo será submetido a uma revisão mais profunda, incluindo troca de peças, e, de seguida, inspeccionada pela autoridade aeronáutica nacional.

No sábado, por volta das 9h00, a aeronave (de matrícula D2 TEH) embateu contra um poste de iluminação e despistou-se, devido a um alegado erro do pessoal de terra que manuseava o pushback” (rebocador), horas depois do desembarque dos passageiros e da tripulação, afectando a sua asa direita.

O facto ocorreu numa altura em que se procedia a manobra de reposicionamento do aparelho, que se desprendeu do rebocador. Pelo sucedido, foi aberto uma investigação imediata para se aferir os motivos, a aeronavegabilidade do aparelho e eventuais culpados, um processo que prossegue em Portugal junto dos implicados.

“Acreditamos que esse avião retomará os voos com normalidade na próxima semana, com destinos a definir. Enquanto isso, introduzimos um outro de backup (reserva) na rota Luanda/Porto e vice-versa, com três frequências semanais (segundas, terças e sextas-feiras)”, informou Alipio de Azevedo, confiante num relatório favorável à TAAG.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.