Contudo os economistas Pedro Godinho e Estêvão Gomes consideram que esta vantagem não terá um impacto considerável nas receitas para os cofres do Estado por se tratar de uma situação que poderá não durar muito tempo.

O economista Pedro Godinho diz não haver nada de extraordinário que possa levar a que Angola venha a registar alterações substanciais na sua economia, a longo prazo.

“Não é uma vantagem sustentável”, disse em referência ao preço do petróleo que na Segunda-feira atingiu os $70 dolares o barril caindo ao fim do dia para $69,42

O economista Estêvão Gomes partilha da mesma opinião mas faz notar que caso a tensão militar na região leve os paises produtores de petróleo a reduzirem a produção “neste caso há um impacto positivo para a economia de Angola”.

O Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2020 foi elaborado tendo como referência o barril de petróleo a 55 dólares, valor que  o governo acredita compensará a “eventual volatilidade dos preços, tendo em conta as perspectivas de evolução do mercado petrolífero mundial”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.